MPF denuncia Sérgio Cabral pela 30ª vez na Lava Jato

G1/JP

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB) foi denunciado pela trigésima vez na Lava Jato do Rio. A acusação do Ministério Público Federal (MPF) desta vez é sobre sonegação de R$ 10,4 milhões em imposto de renda.

De acordo com a denúncia, Cabral omitiu informações e prestou informações falsas às autoridades fazendárias referente a pagamento de imposto de renda relativo aos anos calendários de 2013, 2014 e 2015.

“Cabral liderou uma organização criminosa e recebeu, por um longo período, considerável montante de dinheiro ilícito, em espécie, advindo de diversas fontes de sua atuação criminosa”, escrevem os procuradores.

Em nota, o advogado do ex-governador alegou que a acusação é antiga.

“O ex-governador Sérgio Cabral já respondeu sobre esses mesmos fatos nas inúmeras ações penais ajuizadas. A multiplicidade de denúncias viola princípios básicos do processo penal e a Constituição, além de comprometer a exata dimensão do ocorrido”.

Lavagem de dinheiro 

A denúncia afirma que foi comprovado que Cabral dissimulava a aquisição dos seus bens através de diversos atos de lavagem de dinheiro, como: aquisição de joias de altíssimo valor, roupas, embarcação, custeio de aluguéis e funcionários, blindagem de veículos, fretamento de helicópteros e viagens internacionais.

Os procuradores pedem a condenação de Cabral por sonegação fiscal, bem como a reparação aos cofres públicos do dano causado.

Das 30 denúncias, Cabral foi condenado em 11. As penas já somam 234 anos de prisão.

Comentários