MPF denuncia oito por terrorismo, incluindo jovem campo-grandense

Grupo de 14 pessoas foram presas suspeitas de possível ato terrorista na Olimpíada Rio 2016
Grupo de 14 pessoas foram presas suspeitas de possível ato terrorista na Olimpíada Rio 2016

O campo-grandense Leonid El Kadre de Melo, e mais sete pessoas, que foram presas no mês de julho, acusadas pela policia de terroristas, que poderiam fazer alguma ação na então Olimpíadas Rio 2016, agora são formalmente apontadas à Justiça pelo inédito crime de Terrorismo no Brasil. Hoje, o MPF (Ministério Público Federal) denunciou os oitos, por envolvimento em crimes de recrutamento e promoção de organização terrorista. O grupo foi alvo da Operação Hashtag, realizada em 21 de julho, a quinze dias do início dos Jogos Olímpicos, sendo quase todos presos na ocasião. Melo, foi procurado na Capital, pois é nascido aqui, mas mora a pelo menos duas décadas em Mato Grosso, onde se entregou a polícia, somente três dias após os demais presos, pegos em diversos Estados.

No total, a Operação Hashtag, apontou 14 envolvidos, sendo que 11 foram detidos e trazidos para a Penitenciária Federal de Campo Grande, como o Página Brazil publicou, que Melo seria “desovado” em sua cidade natal. Outros três foram presos em fases seguintes da mesma investigação. Contudo, nesta sexta-feira (16), o MPF pediu a prisão preventiva dos oito denunciados e requereu a aplicação de medidas alternativas aos outros seis investigados, até o fim das apurações policiais. Um deles ainda teve o pedido de prisão temporária prorrogado.

Leonid El Kadre deMelo, que tem 32 anos, mora em Comodoro-MT, onde se estabeleceu, após já estar naquela região a 20 anos, onde inclusive foi preso, condenado a 18 anos, onde já cumpriu a pena. Agora, ele novamente responderá por outros três crimes, tendo sido denunciado pelo MPF por associação criminosa, incentivo de crianças e adolescentes à prática de atos criminosos e recrutamento para organização terrorista. Após ficar três dias foragido, Leonid foi preso no dia 24 de julho, em Comodoro-MT. O rapaz se entregou numa operação das polícias Militar e Federal do Mato Grosso.

Além dele, os denunciados são Alisson Luan de Oliveira, Oziris Moris Lundi dos Santos Azevedo, Israel Pedra Mesquita, Levi Ribeiro Fernandes de Jesus, Hortêncio Yoshitake, Luís Gustavo de Oliveira e Fernando Pinheiro Cabral.

Ele foi preso ontem à noite - Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

Terrorismo

O grupo, segundo dados de investigação, até seria liderado pelo campo-grandense. Eles teriam cogitado usar arma química nos Jogos do Rio, como Página Brazil publicou no inicio deste mês.

A chamada “Operação Hashtag” foi feita Polícia Federal, resultando na prisão das pessoas em sete estados, conforme informou o Ministério da Justiça. Foram as primeiras prisões no Brasil com base na recente lei antiterrorismo, sancionada no mês de março, pela então presidente Dilma Rousseff.

Os supostos terroristas foram acusados de planejar ações de sabotagem para executar durante a Olimpíada do Rio de Janeiro. O contato entre os acusados dava-se por meio de redes sociais, Telegram e demais modos de comunicação virtual, espaço no qual também divulgavam ideais extremistas e de perseguição religiosa, racial e de gênero.

Além das prisões, foram cumpridos 19 mandados de busca e apreensão em dez estados – São Paulo (8); Goiás (2); Amazonas (2); Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Paraíba, Ceará, Minas Gerais e Mato Grosso (um em cada). Houve ainda duas conduções coercitivas, em São Paulo e Minas Gerais.

Comentários

comentários