Morto após esfaquear PMA premeditou crime, acredita Polícia

Jackson Nogueira

Claudemir Ferreira de Souza de 45 anos foi morto a tiro por policial rodoviário federal depois de esfaquear um policial militar ambiental. Caso aconteceu no começo da noite de ontem, no Bar do Paraná, localizado no cruzamento da Rua Panambi com Getúlio Costa Lima, no Bairro Tiradentes, em Campo Grande.

oto: Divulgação

Conforme o delegado Hoffman D’ávila, que atendeu a ocorrência, dois policiais – um PRF (Polícia Rodoviário Federal e PMA (Polícia Militar Ambiental) – estavam à paisana e bebiam em uma conveniência. Em determinado momento, eles se levantaram para pegar algo, quando Claudemir teria se aproveitado da situação e de forma traiçoeira golpeado o militar.

A vítima foi atingida por três golpes e o colega policial tentou intervir passando a lutar com Claudemir, mas ele reagiu e ainda desferiu mais facadas no militar. Foi então que o agente da PRF se afastou e se identificou como policial, mas foi atacado pelo agressor. O policial rodoviário federal sacou arma de fogo e efetuou um disparo em direção ao pescoço de Claudemir.

O PMA, atingido com três golpes, foi socorrido à unidade de saúde do Tiradentes. Quanto a motivação do crime, o delegado diz que pode ter sido premeditado. Segundo relatos do proprietário do bar e de testemunhas, não houve briga no estabelecimento.

Polícia Militar foi acionada e encaminhou o agente da PRF até a delegacia, onde ele teve sua arma de fogo apreendida. Ele foi ouvido, liberado e, para a autoridade policial, agiu em legítima defesa para reprimir a injusta agressão.

Comentários

comentários