Moradores tem energia cortada e em protesto ‘cortam’ acesso a BR 163 bloqueando macro anel rodoviário

Lúcio Borges

Foto: Clayton Neves /CGNews

Os caminhoneiros e viajantes em geral que estão seguindo pela BR 163 na entrada de Campo Grande ou saída para São Paulo, a partir da rotatória do macroanel rodoviário, estão retidos em paralisação da rodovia devido a um protesto de moradores de bairro na região. A manifestação é de habitantes do Jardim Centro-Oeste, já próximo da estrada, que foram atingidos na manhã desta quinta-feira (11), pelo corte de energia elétrica feito pela Concessionária de Energia em MS, a Energisa. A emrpesa alega que as ligações elétrica eram todas clandestinas e em ação ‘de guerra’ foi a área para desligar todas fiações de uma só vez.

Os moradores, entre 500/600 pessoas, fecharam todas a saída do anel viário, em protesto, provocando cerca de 6 quilômetros de congestionamento, assim paralisando a via e já marcando diversas horas desde o inicio no final da manhã. Apenas ambulâncias estão autorizadas a passar e nem mesmo moradores da Capital que estavam de passagem no local, vindo de bairro da zona rural, na Chácara das Mansões, que fica logo após a rotatória, estão passando.

A Relações Pública Luciene Ortega, que está parada na entrada da Capital relatou um pouco sua situação. “Fui na casa de uma pessoa, ali na Chácara das Mansões, e seria bate volta, quando fomos não havia nada, mas voltando a pouco, bom já estamos a 2 horas parados aqui antes da rotatória e  acho que paralisação já chegou em Nova Alvorada. A PRF até já passou dizendo para voltar para posto Locatelli, que tem um desvio”, disse Luciene ao Página Brazil, via Whatsaap, por volta das 15 horas.

Foto: Luciene Ortega -Via whatsaap

Conforme relato parcial da PRF (Polícia Rodoviária Federal) são cerca de 550 manifestantes que foram à rodovia após a ofensiva contra os chamados pela Energisa de “gatos” em terrenos da construtora Homex, na região sul de Campo Grande.

Moradores foram preparados

Os moradores cantam gritos de guerra e utilizam faixas, cones, pneus e pedaços de madeira para a barricada. Segundo Valdeir Machado Dias, 39 anos, representante dos moradores,  protesto não terminará enquanto aparecer algum representante da Energisa ou da prefeitura. “Eu e os moradores da comunidade, que tem idosos e doentes, mas que ninguém se nega a pagar taxas e eles -Energisa- não mandam nada para gente documentar”, disse Dias.

A senhora Sirley Luz, 48 anos, comentou que os moradores pedem energia e moradia. “Estamos dispostos a pagar. Só queremos que a Energisa vá lá e legalize”, disse ela, que mora há três no local em um barraco com o pai, de 75 anos, cadeirante, e com os filhos de 2 e 9 anos. Ela ainda até afirma que ficou surpresa com a equipe da Energisa indo até lá e deixando as famílias desassistidas.

Foto: Luciene Ortega -Via whatsaap

Só polícia negociando

Conforme atingidos com a paralisação e bloqueio da rodovia, até momento só equipes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) estão no local e tentam negociar com os manifestantes. Um deles tentou convencer os moradores a liberaram o trânsito por 30 minutos e bloquear a cada 10 minutos, mas não houve acordo. De acordo com a PRF, um representante da prefeitura e outro da Defensoria Pública devem ir ao local negociar com os manifestantes.

“Está complicado ou complicando situação, a PRF passou avisando para voltar e pegar um tal desvio, mas assim o trânsito piorou porque está com carros em contramão e indo e voltando, sem qualquer controle. E ao que dá para ver, os manifestantes estão deslocando caminhão , trator de um lado para outro da rotatória”, aponta Luciene.

Fila dupla, tripla e de um lado para outro (Foto: Foto: Luciene Ortega -Via whatsaap)

Os caminhoneiros que estão parados também reclamam e dizem que precisam passar com a carga. Também defendem que dependem do acesso para entregar o serviço no horário. Houve princípio de confusão, mas alguns foram contidos.

A ação de corte

A ação da Energisa, denominada uma ofensiva contra “gatos”, ligações irregulares de energia elétrica, foi realizada na manhã desta quinta-feira (dia 11) no bairro Jardim Centro-Oeste, região do grande Los Angeles, região sul de Campo Grande, saída de São Paulo.

No local se aponta que há invasão em terrenos da massa falida da construtora Homex.

A ação envolveu 120 pessoas, com um exército de eletricistas, 70 veículos da Energisa e equipes da PM (Polícia Militar) e do Batalhão de Choque.

Foto: Luciene Ortega -Via whatsaap
Foto: Luciene Ortega -Via whatsaap

Foto: Luciene Ortega -Via whatsaap

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu cometário!
Por favor, insira seu nome aqui