Ministro da Saúde fala em abrir postos públicos para atendimentos à noite

UOL/JN

O novo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse em seu discurso de posse, nesta quarta-feira (2), que pretende criar um terceiro turno de atendimento nos postos de saúde do país. A ideia é que os postos públicos também abram à noite para atender quem trabalha durante o dia e tem dificuldades de passar por consultas nesse período. “É preciso ter um terceiro turno nos postos de saúde. Vamos correr atrás”, afirmou sem citar prazos para a implantação da medida.

Luiz Mandetta, novo ministro da Saúde Foto Divulgação

Segundo o novo ministro, a atenção básica, primeiro nível de atendimento e que inclui a prevenção, será a prioridade da gestão. “Meu compromisso com a atenção básica é integral”, disse Mandetta.

A atenção básica contará com uma secretaria dentro da pasta. O ministério também terá uma secretaria voltada para a média e alta complexidade hospitalar.

Ele usou cerca de 30 minutos de sua fala para contar sua trajetória de vida como médico e político. Eleito deputado federal pelo Mato Grosso do Sul em 2010 e 2014, o ministro é ortopedista pediátrico.

“Não se chega a um cargo de tamanha responsabilidade sem ter um compromisso muito grande com a família, com a fé, com a pátria”, declarou. “Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro [PSL] por ter me confiado essa tão nobre missão.”.

O novo ministro disse que Bolsonaro demonstrou humildade ao lhe procurar, na campanha, para pedir sugestões na área de saúde. Mandetta elogiou o fato de o representante do PSL ter incluído no plano de governo a proposta de criação de uma carreira de médico de Estado.

O presidente não compareceu à cerimônia, mas estiveram presentes os ministros Tereza Cristina (Agricultura), Osmar Terra (Cidadania) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos).

Mandetta citou Damares ao anunciar que pretende mudar a estrutura da saúde indígena, que, segundo ele, é improvisada e não apresenta bons indicadores. “Vamos discutir com a ministra Damares a restruturação da saúde indígena”.

Comentários