Ministro anuncia ajuda humanitária e Estado colocará equipes para reconstruir áreas

Governo de Mato Grosso do Sul, União e prefeituras estão unindo esforços para dar ajuda humanitária às famílias e recuperar acessos aos municípios prejudicados pelas tempestades na região Sul do Estado. O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, e o governador Reinaldo Azambuja sobrevoaram a região Sul do Estado e discutiram com 11 prefeitos, três vices e um presidente de câmara municipal, em Amambai, a recuperação das áreas atingidas pelas tempestades em Mato Grosso do Sul.

Reunião ocorreu na terça-feira em Amambai - Foto: Chico Ribeiro
Reunião ocorreu na terça-feira em Amambai – Foto: Chico Ribeiro

Pela parceria construída, o Governo do Estado irá enviar seis equipes para atender a região, ajudando na reconstrução das estradas. Já o Governo Federal irá, inicialmente, dar uma ajuda humanitária e, posteriormente, poderá transferir recursos para as prefeituras restabelecer os acessos. Algumas comunidades estão isoladas. Para Reinaldo Azambuja, a parceria será fundamental para a recuperação da normalidade na região.

“A Defesa Civil e o próprio ministro disseram que eles [Governo Federal] podem fazer transferências diretamente às prefeituras para essa emergência: para óleo diesel, para locação de equipamentos e para fortalecer o parque de máquinas. O Governo do Estado também, nessa parceria que estamos construindo, está mandando seis novas equipes que vão ficar especificamente para atender as estradas municipais, que são aquelas que têm o maior número de rodovias, dentro dos municípios. Se nós somarmos os esforços, com esse recurso que vem direto para as prefeituras para contratar diesel e novos equipamentos, com as seis equipes que o Governo do Estado está mandando, eu acho que rapidamente nós reestabelecemos, pelo menos onde está intransitável, um tráfego melhor e um livre acesso a essas regiões”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

Uma das possibilidades a ser analisada é a substituição das pontes de madeira por de concreto. O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, afirmou que irá analisar essa possibilidade e garantiu a ajuda humanitária com doações de água potável, cestas básicas, colchões e kits de limpeza e higiene. Além disso, ele explicou que haverá um esforço conjunto de governos federal, estadual e municipais pare reconstruir pontes, estradas e proteger as famílias.

“Uma primeira ajuda é humanitária. O Estado já fez isso e hoje nós recebemos o primeiro pleito que foi a recomposição do estoque dessa ajuda humanitária à Defesa Civil estadual, cerca de 1.700 kits. O segundo momento será o de nós recebermos o reconhecimento e a decretação da situação de emergência para que o Governo Federal possa publicar uma portaria elencando todas as cidades e fazendo esse reconhecimento. A partir daí, e enquanto isso também, os municípios vão fazer o primeiro plano de resposta que seria aquilo que precisa. Hoje estamos fazendo levantamento dos estragos. A resposta imediata é o reestabelecimento, colocar as estradas vicinais em condições. Depois haverá um plano de reconstrução”, afirmou.

Ministro, governador e prefeitos assistiram a um vídeo e a uma apresentação feita pelo coordenador de Defesa Civil de Mato Grosso do Sul, coronel Isaías Ferreira Bittencourt, sobre os estragos causados pela chuva. De acordo com ele, mais de 80 pontes (totalizando 1.200 metros) foram destruídas e mais de 3 mil quilômetros de estradas e 8 quilômetros de drenagem foram danificadas. Além disso, foram registrados desabamentos e grandes erosões em áreas habitacionais.

“Toda a região espera uma tréqua da chuva”, resumiu o prefeito de Amambai, Sergio Barbosa. Uma das preocupações do chefe do Executivo municipal é com relação aos prejuízos que já ocorreram e com as colheitas, que têm início em janeiro. “Os prefeitos querem orientação da União para não entrarem em desespero. Estamos preocupados também com a dengue e outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti”.

O Governo de Mato Grosso do Sul, após as fortes chuvas que atingiram a região sul do estado, reconheceu a situação de emergência de 14 municípios. Além de pontes, diversas rodovias, galerias e dutos foram destruídos ou danificados parcialmente em Tacuru, Naviraí, Itaquiraí, Aral Moreira, Coronel Sapucaia, Amambai, Iguatemi, Sete Quedas, Paranhos, Caarapó, Juti, Novo Horizonte do Sul, Japorã e Eldorado.

Comentários

comentários