Milhares de pessoas protestam em Moscou contra bloqueio do Telegram

Agência EFE / SF

Milhares de pessoas se reuniram nesta segunda-feira em uma avenida no centro de Moscou para protestar contra o bloqueio do aplicativo Telegram, proibido na Rússia por uma decisão judicial após recusar entregar ao governo os códigos para descriptografar as mensagens trocadas pelos usuários.

Foto: Mauritz Antin / EFE

“Milhares de jovens progressistas participam do protesto em Moscou, apesar das filas nos detectores de metais colocados pela polícia”, afirmou o fundador do Telegram, Pavel Durov.

O empresário russo, que também criou a rede social Vkontakte, a maior de toda a Europa, disse que o governo russo está em uma encruzilhada. “Eles terão que decidir se a liberdade na internet é inegociável no país”, afirmou.

“O futuro da internet está nas mãos de vocês. Há quem dirá que a concentração não vai mudar nada, mas não é assim. A Rússia está em uma encruzilhada. Ainda não adotou uma censura total. Se não fizerem nada, a Rússia perderá o Telegram e outros serviços populares”, explicou o fundador do aplicativo de mensagens.

A manifestação, convocada pelo desconhecido Partido Libertário da Rússia, conta com a participação de alguns dos principais líderes da oposição, como Alexei Navalny, maior crítico do governo.

O órgão de regulação das comunicações na Rússia, o Roskomnadzor, bloqueou nos últimos dias dezenas de milhões de endereços de IP com o objetivo de impedir o funcionamento do Telegram.

No processo de cumprir a ordem judicial e proibir o aplicativo no país, o Roskomnadzor prejudicou milhões de usuários por bloquear IPs que afetam serviços prestados por empresas como Google e Apple.

A multinacional russa Yandex, líder no mercado nacional de tecnologia da informação, criticou com dureza a campanha para bloquear o Telegram.

“O mercado russo só pode se desenvolver em condições de concorrência aberta. A falta de liberdade e de escolha é a consequência mais perigosa do bloqueio”, alertou a diretora de relações públicas da Yandex, Ochira Mandzhikova.

Comentários