Michelle Obama afirma em discurso que comentários de Trump são intoleráveis

A primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, afirmou nesta quinta-feira (13) que os comentários do candidato republicano à presidência do país, Donald Trump, sobre o comportamento abusivo dele com mulheres a abalaram profundamente. Usando um tom extremamente pessoal, ela pediu aos eleitores que digam basta.

Primeira-dama Americana, Michelle Obama, fala durante evento de campanha da democrata Hillary Clinton, na quinta-feira (13), em Manchester (Foto: Jim Cole/ AP)
Primeira-dama Americana, Michelle Obama, fala durante evento de campanha da democrata Hillary Clinton, na quinta-feira (13), em Manchester (Foto: Jim Cole/ AP)

Numa gravação de 2005 que veio à tona na última sexta-feira, Trump se vangloria, usando linguagem vulgar, de que sua fama lhe permite “fazer qualquer coisa com as mulheres”, até mesmo tocá-las em partes íntimas. Michelle disse que as declarações do magnata são “chocantes e humilhantes”. O discurso de Michelle Obama, foi retirado do The New York Times.

“Eu não posso acreditar que estou dizendo que um candidato à presidência dos Estados Unidos se vangloriou de atacar mulheres sexualmente”, afirmou a primeira-dama, em discurso numa universidade em Manchester, no estado de New Hampshire. “Isso não é normal, isso não é a política usual.”

“Isso não foi apenas uma conversa impropria, não foi apenas uma brincadeira de vestiário, foi um indivíduo poderoso falando livre e abertamente sobre um comportamento sexual predatório e se gabando de beijar e tocar mulheres”, disse a primeira-dama.

“Usando uma linguagem tão obscena que muitos de nós ficamos preocupados que nossos filhos ouçam isso ao ligarmos a TV.”

Michelle disse que as frases proferidas no vídeo são um exemplo de como o empresário tratou o sexo feminino durante toda a sua vida. “Os comentários vergonhosos sobre os nossos corpos, o desrespeito a nossas ambições e nosso intelecto, a crença de que você pode fazer o que quiser com uma mulher, isso é cruel, é assustador”, disse.

Para Michelle, trata-se de algo intolerável, não importa que partido se apoie. “Nenhuma mulher merece ser tratada dessa maneira. Nenhuma de nós merece esse tipo de abuso”, afirmou. Ela rechaçou as alegações de Trump de que seus comentários não passaram de palavras, dizendo que se trata de uma afronta a todas as mulheres, pais e cidadãos dos Estados Unidos.

Michelle não mencionou o marido, o presidente Barack Obama, mas disse que as falas de Trump não refletem a maneira como os homens na família dela discutem sobre as mulheres. “Eles são pais amorosos, que ficam enojados com a ideia de suas filhas serem expostas a esse tipo de linguagem viciosa sobre as mulheres. Minimizar isso como conversa de bastidores é um insulto a todos os homens decentes.”

O pré candidato republicano, Donald Trump Foto: Efe
O pré candidato republicano, Donald Trump Foto: Efe

DENÚNCIAS DE ASSÉDIO
Os comentários de Trump fizeram mulheres revisitarem memórias dolorosas de quando foram assediadas pelo magnata, destacou a primeira-dama. Nesta quarta-feira,o jornal The New York Times divulgou relatos de duas americanas que teriam sido assediadas pelo magnata por volta de 1980 e em 2005. Outros casos semelhantes foram, então, divulgados pelo Palm Beach Post e pela revista People.

Trump afirmou nunca ter feito as coisas das quais se gaba na gravação. Ele também negou os relatos de mulheres divulgados pela mídia, classificando-os de “absolutamente falsos”. “Nunca encontrei essas pessoas, nem sei quem elas são. São histórias inventadas”, disse.

Em meio à divulgação do vídeo de 2005 e dos relatos de mulheres, Trump vem perdendo apoio na reta final da campanha eleitoral. Sondagens situam o candidato até 11 pontos percentuais atrás da rival democrata, Hillary Clinton. E uma pesquisa de opinião divulgada pela agência Reuters e pelo Instituto Ipsos nesta apontou que um em cada cinco republicanos acreditavam que os comentários sexistas de Trump o desqualificavam para exercer o cargo de presidente.

 

Comentários

comentários