Mesmo com crescimento lento, expectativas para a economia são favoráveis, indica presidente da ACICG

Nádia Nicolau

“As notícias são positivas, já são cinco meses de crescimento consecutivo do varejo”, foi o que declarou o presidente da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande, (ACICG), João Carlos Polidoro da Silva, durante entrevista ao Tribuna Livre, na manhã desta quarta-feira (4).

Esse otimismo, segundo ele, se deve aos sinais econômicos satisfatórios que surgem, ainda que modestos, tanto em Campo Grande quanto no país. Polidoro mencionou o recente anúncio do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de elevação do PIB brasileiro (Produto Interno Bruto), que cresceu 0,6% no 3º trimestre de 2019, impulsionado especialmente pelo consumo das famílias e pelo investimento do setor privado.

“É um sinal bom para quem precisa crescer”. O nível de confiança de empresários está aumentando”, destacou. O presidente da entidade ligada às atividades comerciais da capital também acrescentou que “as pessoas estão empreendendo mais e buscando autonomia financeira”.

Com a estimativa de R$ 1 bilhão na economia de Mato Grosso do Sul neste final de ano, João Polidoro disse que o dinheiro começou a entrar, de forma expressiva, na roda financeira local, a partir do Black Friday (realizado na última sexta-feira de novembro).

Comportamento do consumidor – Conforme pesquisa da empresa de recuperação de crédito Recovery, atualmente, no Brasil, quase um terço dos consumidores (30%) com restrição ao crédito tem mais de uma dívida em atraso. Os dados indicam, também, que no país, há 60 milhões de inadimplentes. Mesmo diante de registros assim, Polidoro frisou que “os consumidores estão mais conscientes, bem informados e exigentes”.

Para tentar diminuir o número de inadimplentes existem campanhas de bancos e empresas que fazem a renegociação de dívidas com descontos vantajosos. O presidente da Associação Comercial adiantou que na próxima semana será lançada mais uma edição do “Nome Limpo”, uma ação de busca, justamente, ajudar pessoas a se regularizarem.

CLIQUE AQUI para conferir a entrevista completa.

Comentários