Merkel deve ser candidata ao 4º mandato para governar a Alemanha

Angela Merkel anunciou neste domingo (20) a seu partido que será candidata a um quarto mandato de chanceler durante as eleições legislativas de 2017, em um período em que seus partidários a consideram a última defesa contra o avanço do populismo.

Merkel deve ser candidata ao 4º mandato para governar a Alemanha (Foto: Fabrizio Bensch/Reuters)
Merkel deve ser candidata ao 4º mandato para governar a Alemanha (Foto: Fabrizio Bensch/Reuters)

A chanceler, de 62 anos, anunciou sua intenção aos dirigentes da União Democrata Cristã (CDU) durante uma reunião em Berlim, informaram à AFP fontes próximas ao partido.

A chefe de Governo, que deve abordar a questão em um encontro com a imprensa às 19h (16h de Brasília), expressou a intenção de ser reeleita como presidente da CDU no Congresso de dezembro, além de apresentar uma nova candidatura para a chancelaria durante as legislativas.

Após 11 anos à frente do país, Merkel já ostenta o recorde de longevidade entre os atuais governantes ocidentais.

Julia Klöckner, da CDU e muito próxima a Merkel, defendeu a candidatura e afirmou que a chanceler é “uma garantia de estabilidade e confiabilidade em um período turbulento”.

Recorde de Kohl à vista
A julgar pelas pesquisas, Merkel tem grandes chances de conquistar o quarto mandato como chanceler.

Ela entraria assim para a história do país ao superar o tempo de poder do icônico chanceler do pós-guerra Konrad Adenauer (14 anos) e também o de seu próprio mentor político, Helmut Kohl (16 anos).

De acordo com uma pesquisa publicada pelo jornal Bild, 55% dos alemães desejam que Merkel permaneça no cargo, contra 39% de opiniões contrárias. Em agosto, o índice favorável à chanceler era de 50%.

Merkel se encontra em uma situação paradoxal: elogiada no exterior, onde as expectativas a seu respeito aumentaram após a vitória de Donald Trump na eleição americana, na Alemanha enfrenta um ano eleitoral um tanto fragilizada pela polêmica provocada pela decisão de receber um milhão de refugiados no país.

Esta semana, o presidente americano Barack Obama elogiou Merkel em Berlim durante sua última viagem oficial como chefe de Estado.

“Se fosse alemão, poderia dar meu apoio”, disse.

E, diante do avanço das tendências autoritárias no mundo, o jornal The New York Times a chamou de “último baluarte dos valores humanistas no Ocidente”.

Mas seu poder está em queda na Alemanha, de acordo com a revista liberal Die Zeit. Ela conseguiu recuperar parte da popularidade perdida com a crise migratória, mas o seu grupo político registra de 32 a 33% das intenções de voto nas pesquisas, quase 10% a menos que nas eleições de 2013.

“O recuo criado pela vitória de Trump afeta Merkel quando suas possibilidades de liderança são limitadas: não pode contar com a Europa para avançar, não tem um partido unido atrás dela e não possui o apoio popular que tinha há um ano e meio”, afirma a Die Zeit.

O atraso no anúncio da candidatura está relacionado com a perda de poder. Após a polêmica sobre a recepção aos refugiados, ela teve que lidar com a rebelião da CSU, partido aliado bávaro, que ameaçou não apoiar Merkel em 2017, antes de mudar de opinião ante a falta de alternativa.

A chanceler sofreu outro revés este mês ao não conseguir designar um membro de seu partido como candidato para ser presidente em 2017, um posto para o qual foi escolhido o social-democrata Frank-Walter Steinmeier.

Por fim, seu terceiro mandato coincidiu com o avanço de um partido populista na Alemanha, que disputa espaço com seu partido na direita. O AfD tem grandes chances de entrar para o Bundestag (Parlamento), o que nenhum grupo deste tipo consegue desde 1945.

Merkel mantém, no entanto, a vantagem sobre os demais, já que não possui rivais fortes em seu partido e continua sendo muito mais popular que seus adversários social-democratas.

Comentários

comentários