Mentor de extorsão e exploração sexual afirma que não há outros políticos envolvidos no caso

Fabiano Viana Otero, indiciado por exploração sexual de menores no escândalo de prostituição infantil e extorsão que envolve o vereador Alceu Bueno (PSL), deve se entregar em breve à Polícia, de acordo com seu advogado, Hamilton Ferreira.

O acusado só estaria aguardando a Justiça aceitar o acordo da delação premiada, “Quando ele me procurou relatou que tinha fatos a serem apresentados”, conta o advogado ao informar que foi então que decidiram usar as informações como estratégia de defesa.

Na lista, o advogado diz que não há mais nomes de políticos envolvidos, “mas pessoas influentes”.

Por conta de um acordo que fez em reunião com o promotor de Justiça, Celso Botelho, na manhã desta sexta-feira (24) na Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA), o advogado explica que não dará mais detalhes sobre o caso até mesmo para preservar seu cliente que estaria sofrendo ameaças. Ele também não confirmou o envolvimento de uma terceira adolescente no esquema de prostituição.

Fabiano não estaria com medo, nem da polícia e nem da Justiça, segundo Hamilton. “Ele vai se entregar, mas ainda não há uma data”, afirma o advogado.

Além disso, Hamilton comentou que o cliente não está envolvido em um caso de extorsão e sim de exploração. “Ele apresentava adolescentes para algumas pessoas que serão ditas no inquérito, mas não houve a extorsão de ninguém”.

Hamilton compareceu na DEPCA na manhã de hoje (24), após o pedido de prisão preventiva de seu cliente. O advogado não quis comentar sobre as informações repassadas para o promotor,“sigilosa e muito importante”, mas afirmou que “coisas novas” serão entregues sobre o escândalo.

O empresário Luciano Roberto Pageu, 40 anos e o ex-vereador Robson Martins tiveram a prisão preventiva decretada e irão responder pelos crimes de indução de menor ao crime e extorsão, assim como Otero. Bueno e Assis vão responder por exploração sexual de adolescentes e podem ser condenados a pena de até 10 anos de reclusão.

Luana Campos com Jackson Nogueira

 

Comentários

comentários