Menina que ficou em estado grave após ser picada por escorpião melhora e respira sem aparelhos

A menina de seis anos que deu entrada no hospital Regional em estado grave após ser picada por um escorpião na tarde desta terça-feira (24), teve uma grande melhora e já respira sem aparelhos, segundo o médico Sandro Benites, do Centro Integrado de Vigilância Toxicológica (Civitox).

Criança é transferida em estado grave para o Hospital Regional Rosa Pedrossian, em Campo Grande

Conforme o médico, Maria Clara está estável e acordada. Ela foi picada pelo escorpião nesta última terça e recebeu os primeiros atendimentos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Bairro universitário.

Por conta da gravidade, Maria teria sido transferida para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional onde ainda permanece internada.

PROCEDIMENTO

A orientação é que, em caso de acidente, a pessoa vá imediatamente até uma unidade de saúde, onde será medicada e ficará em observação para controlar uma possível reação alérgica ao veneno do animal.

Caso seja possível, também é orientado tentar colocar o animal em um recipiente com álcool, evitando contato e novo acidente, e levá-lo ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), para que seja identificado a espécie do animal e definida quais medidas devem ser tomadas para a extinção do artrópode na residência.

Outra recomendação é é manter sempre o quintal limpo. Folhas acumuladas, restos de materiais de construções que estão guardados sem utilidade, garrafas e outros inservíveis – itens que permanecem reservados, mas que não têm mais uso – são abrigos perfeitos para os animais.

Latas de lixos e caixas de gordura mal fechadas também, já que nesses locais existem restos de comidas que atraem insetos que são alimentos aos escorpiões.