Médicos voltam a cruzar os braços e domingo começa com espera em postos

Os médicos de Campo Grande decidiram voltar a greve, pela terceira vez neste ano, a partir da noite de sábado (15), segundo o Sinmed-MS (Sindicato dos Médicos). Unidades de saúde da capital sul-mato-grossense quadro de profissionais reduzido em 30%.

Posto Doutor Waldeck de Castro Maia, no Bairro Coophavila, tem médicos, mas pacientes reclamam de espera (Foto
Posto Coronel Antonino, tem médicos, mas pacientes reclamam de espera

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio da assessoria de imprensa, informou que não vai se pronunciar por enquanto. Durante o final de semana será feita uma avaliação e na próxima segunda-feira (17) vão tomar as devidas providências.

De acordo com o Sinmed, o principal motivo é o não reajuste anual. A categoria reclama dos constantes descumprimentos de prazos estabelecidos em acordo firmado anteriormente entre sindicato e prefeitura.

Os profissionais se reuniram ontem (15), em assembleia extraordinária, e decidiram paralisar as atividades, retificando decisão de assembleia realizada no último dia 10.

Histórico

Os médicos fizeram a primeira greve no último dia 6 de maio quando gratificações foram cortadas. Na época, os médicos aceitaram a proposta da prefeitura que prometeu não descontar os dias parados e estudar a possibilidade de um aumento salarial. Mas o ponto determinante foi a volta das gratificações. A paralisação durou seis dias.

No entanto, em menos de uma semana, os profissionais retomaram a greve que durou até o dia 1º de junho, após 18 dias de paralisação. A promessa da administração municipal de retomar o pagamento das gratificações, pagar os dias em que os profissionais ficaram parados e retirar da Justiça o processo que move contra o sindicato foram determinantes.

A discussão do reajuste e sobre a data base deveriam ter sido realizados a partir de agosto.

Comentários

comentários