Mau tempo e erros dos pilotos levaram à queda do avião de Eduardo Campos

Um ano e cinco meses depois do acidente, a Aeronáutica divulgou nesta terça-feira, em Brasília, o relatório final com os fatores que contribuíram para a queda do avião Cessna Citation 560 XLS+, de prefixo PR-AFA, a bordo do qual viajavam o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), então candidato à Presidência da República, e mais seis pessoas. Entre as causas que levaram à queda do jatinho estão o cansaço dos pilotos, a falta de habilitação específica para o modelo tripulado e a desobediência da carta aeronáutica de aproximação por instrumentos para aterrissagem no Aeródromo de Guarujá (SP).

Bandeira de partido é estendida sobre o caixão de Eduardo Campos, durante o velório do ex-governador de Pernambuco, em Recife(Ademar Filho/Futura Press)
Bandeira de partido é estendida sobre o caixão de Eduardo Campos, durante o velório do ex-governador de Pernambuco, em Recife(Ademar Filho/Futura Press)

A Aeronáutica descartou colisão com aves, drones e outras aeronaves e concluiu que os motores estavam em funcionamento no momento do impacto com o solo. “Em algum momento a tripulação perdeu o controle da aeronave enquanto voava por instrumentos”, explicou o tenente coronel aviador Raul de Souza, responsável pela investigação.

O tempo estava ruim na manhã de 13 de agosto de 2014, e os pilotos encurtaram o trajeto e pularam etapas e manobras durante a descida, conforme apuração do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Sem conseguir aterrissar, os pilotos arremeteram e logo perderam contato com o operador de rádio da Base Aérea de Santos. A aeronave caiu, por provável desorientação espacial, no bairro do Boqueirão.

O acidente ocorreu durante a campanha eleitoral, enquanto Campos voava do Rio de Janeiro para Santos, no litoral paulista. Além de Campos, morreram no acidente quatro assessores dele – Carlos Percol, Marcelo Lyra, Alexandre Severo e Pedro Valadares Neto – e os dois pilotos, Geraldo Magela Barbosa da Cunha e Marcos Martins. Doze familiares das vítimas também receberam explicações da Força Aérea Brasileira nesta terça – estavam ausentes apenas parentes do copiloto Geraldo Magela e do assessor especial Pedro Valadares Neto. (VEJA)

Comentários

comentários