Marun pede saída do presidente da Comissão de Ética da Presidência

Da Redação/JN

O deputado Carlos Marun (PMDB-MS), correligionário do presidente Michel Temer, protocolou nesta quarta-feira, na Comissão de Ética da Presidência da República, um pedido para tirar Mauro Menezes do comando da comissão. Sob o argumento de que Menezes é “simpatizante do petismo”, Marun acusa o presidente da comissão de adotar postura mais rigorosa em relação aos ministros de Temer do que fazia no governo Dilma Rousseff.

Marun considera atual presidente simpatizante do PT –

No fim de abril, a Comissão de Ética abriu processo de investigação para apurar supostas infrações éticas cometidas pelos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria Geral) e Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia). A decisão aconteceu depois que as delações de executivos da Odebrecht mencionaram supostos ilícitos cometidos pelos ministros. A postura de Mauro Menezes tem gerado incômodo no Palácio do Planalto, e coube então ao deputado fazer o pedido para destituir o presidente da comissão.

Apesar disso, Marun negou ter conversado com ministros alvo de processos antes de tomar a decisão:

— Já tem muito petista e simpatizante do petismo na Câmara, não precisa ter no Palácio do Planalto — disse o peemedebista.

Segundo Carlos Marun, que também é presidente da comissão especial que analisou a reforma da Previdência, Menezes tem atitudes “incoerentes”, como criticar publicamente a decisão de Temer de só demitir ministros que sejam denunciados. O deputado comparou o presidente da comissão a um árbitro de futebol que apita jogo do próprio time, e afirmou que, por vezes, a “paixão” leva a erros.

— Sou Colorado (Internacional), você acha que eu poderia ser presidente da federação gaúcha de arbitragem? Muitas vezes a nossa paixão faz a gente tomar decisões equivocadas.

Comentários