Marte tem ‘córregos’ sazonais de água salgada, revela sonda da Nasa

 Veios de salmoura se formam em encostas de montanhas em meses quentes. Descoberta reacende discussão sobre se planeta é habitável por micróbios.

Algumas montanhas de Marte possuem veios estreitos de água salgada líquida escorrendo em suas encostas, revela um estudo divulgado hoje pela Nasa.

Essas formações, que já haviam sido reveladas antes em imagens do planeta, já eram apontadas como possivelmente originadas de salmouras, mas só agora surgiram evidências diretas do fenômeno.
Linhas que aparecem e somem em montanhas marcianas são formadas por água salgada escorrendo, indica novo estudo (Foto: Nasa/JPL/Universidade do Arizona)
Linhas que aparecem e somem em montanhas de Marte são formadas por água salgada escorrendo, indica novo estudo da Nasa (Foto: Nasa/JPL/Universidade do Arizona)

Essas “linhas de encosta recorrentes”, tal qual foram batizadas pelos cientistas, são faixas estreitas, com menos de 5 metros de largura, que aparecem durante as estações quentes em certas regiões marcianas. As linhas se alongam durante algum tempo e depois encolhem nas estações frias.

Cientistas não conseguiam confirmar a natureza do fenômeno, porque a resolução das imagens das melhores sondas no planeta não permitia fazer imagens nítidas de estruturas tão estreitas.
Linhas recorrentes de encosta formadas por água salgada na cratera Garni (Foto: Nasa/JPL/Universidade do Arizona)
Linhas recorrentes formadas por água salgada na cratera Garni, em Marte (Foto: Nasa/JPL/Universidade do Arizona)

A hipótese de que as linhas observadas eram salmoura líquida saiu das temperaturas registradas no local no verão marciano, acima de -23°C. Água com alta concetração de sal, com ponto de derretimento mais baixo, pode existir na forma líquida nessa faixa de temperatura.

Vida marciana?
Um grupo de pesquisadores operando a sonda MRO (Mars Reconnaissance Orbiter), porém, desenvolveu um método para contornar o problema das imagens sem resolução. Lujendra Ojha, do Instituto de Tecnologia da Georgia, e seus colegas conseguiram extrair de imagens com um único pixel os dados espectrais — separação da luz em diferentes frequências — capazes de revelar a composição de substâncias.
As informações obtidas pelos pesquisadores estão de acordo com o espectro de sais minerais hidratados, reforçando a hipótese de que os veios recorrentes são formadas com cristais de sal absorvendo umidade da atmosfera marciana. Estão presentes na solução sais de cloro e oxigênio, como cloratos e percloratos.
“Determinar se água líquida existe na superfície marciana é central para a compreensão do ciclo hidrológico e para o potencial da existência de vida em Marte”, esceveu Ojha em estudo publicado hoje na revista “Nature Geoscience”.
Linhas escuras em monte no centro da cratera Horowitz, em Marte, atribuídas a água salgada líquida (Foto: Nasa/JPL/Universidade do Arizona)
Monte no centro da cratera Horowitz com linhas recorrentes em Marte (Foto: Nasa/JPL/Universidade do Arizona)

Ainda que a existência do líquido em Marte seja uma novidade, diz a pesquisadora, não é possível dizer ainda que as condições nos córregos de salmoura temporários permitiria a existência de vida. Na Terra, o centro do deserto do Atacama, extremamente árido, é o único lugar parecido com essas condições onde já se viu vida.

“Se as linhas de encosta recorrentes se formam como resultado da delinquescência [absorção de umidade] de sais percloratos, elas podem fornecer condições úmidas transitórias na superfície deMarte, apesar de a atividade da água nas soluções de perclorato ser baixa demais para sustentar a vida de tipo terrestre.”
Imagem feita pelo equipamento indiano mostra o planeta Marte (Foto: Divulgação/Twitter/@MarsOrbiter)
Imagem feita por sonda indiana mostra o planeta Marte (Foto: [email protected])

G1

 

Comentários

comentários