Marcos Alex será substituído por Cristiane Mourão na coordenação do Gaeco

A promotora Cristiane Mourão será a nova titular da 29ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público de Campo Grande – do qual faz parte do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) -, em substituição ao promotor Marcos Alex. A decisão, tomada na tarde desta segunda-feira (28) pelo Procurador-Geral de Justiça, Humberto de Matos Brites, foi divulgada na manhã desta terça-feira.

29Mourão

Na tarde desta segunda-feira, durante entrevista coletiva, o Procurador Geral de Justiça de Mato Grosso do Sul em exercício, Paulo Cezar dos Passos, havia informado que todo o processo de análise e transição das investigações da Operação Coffee Break – sobre o suposto esquema de negociação de votos para cassação do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP) em março de 2014, deve levar ainda 60 dias e que a saída do promotor Marcos Alex Vera da coordenação do Gaeco, ocorrerá “somente depois da análise do relatório e do possível ajuizamento de ações”.

Passos admitiu que “problemas de comunicação em relação à operação Coffee Break realmente geraram divergências com a chefia do MPE”, mas que os mesmos “já teriam sido sanados” (em referência à situações como a divulgação de parte do relatório da Coffee Break pela imprensa antes mesmo que o procurador-chefe tivesse acesso ao documento).

Na coletiva realizada na tarde de segunda, Passos afirmou que “Marcos Alex já havia manifestado o desejo de deixar a coordenação do Gaeco em 2014”, o que só ocorre agora, porque “o promotor entende que já cumpriu sua missão”, tendo voltado a solicitar a saída.

Durante a coletiva, Passos fez questão de afirmar que “não há nenhuma divergência entre Marcos Alex e Procurador Geral de Justiça, Humberto de Matos Brittes” e ainda que informações em contrário, teriam sido divulgadas com “o intuito de atrapalhar os trabalhos” […] “na tentativa de enfraquecer o Ministério Público”, o que “só prejudica a sociedade e favorece pessoas que estão envolvidas em ações com intuito de lesionar os cofres públicos”, concluiu.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários