Marcha para Jesus espera reunir mais de 100 mil pessoas nesta edição

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A Marcha para Jesus, que neste ano tem como lema “Para as Famílias, Para o Brasil”, acontece na próxima quarta-feira(26), no dia em que se comemora o aniversário de 116 anos de Campo Grande.

A concentração do público será na praça do Rádio Clube, a partir das 14h, com pregações e louvores, em seguida o público marcha pela Avenida Afonso Pena, em direção ao Parque das Nações Indígenas, local onde será realizado um grande show com nomes conhecidos da música gospel, como o cantor Fernandinho e André Valadão.

O evento que tem realização do Conselho de Bispos de Campo Grande/AEVB, com o apoio da Prefeitura de Campo Grande, iniciou-se há mais de 20 anos, quando reunia cerca de cem pessoas, no ano passado atingiu um público de 80 mil participantes e este ano a expectativa é que mais de 100 mil pessoas estejam presentes.

O Apostolo Silvio Sandin, que é membro da diretoria do Conselho de Pastores de Campo Grande, entidade vinculada à AEB (Aliança Evangélica Brasileira) conta que o evento tem o objetivo de fazer um dia de oração pela cidade e pela nação. “Neste dia os evangélicos se unem e reúnem para andar pelas ruas da cidade, através de uma marcha profética, orando pelo povo, pelas autoridades e pedindo a benção de Deus sobre a cidade e a nação”, conta. 

O Apostolo Sandim ressalta que a marcha é especifica dos evangélicos, pelo fato de toda organização e direcionamento ser feito por este público, porem nada impede que qualquer outra pessoa que tenha uma crença diferente, principalmente os cristão compareçam e prestigiem o evento. “ Eu deixo esse convite não só para a capital, mas também para as cidades do interior que irá prestigiar esse evento, e para o povo evangélico que compareçam ali e estejamos todos juntos este dia. É uma marcha pelo Brasil e pela família, a mais de 20 anos marchamos em Campo Grande, é um momento muito especifico e importante para  nós orarmos para nossa cidade estado e nação”, finaliza.

Paulo Francis

Comentários

comentários