Maníaco da Cruz surta em presídio e é transferido para Caps

O detento Dyonathan Celestrino, de 23 anos, mais conhecido como “Maníaco da Cruz”, teve de ser transferido na tarde desta terça-feira (29) do Instituto Penal de Campo Grande. Segundo a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), ele foi encaminhado para uma unidade do Centro de Atenção Psicossocial (Caps), devido a orientações da psiquiatra responsável pelo seu acompanhamento.

Após atendimento psiquiátrico, maníaco deve retornar para presídio
Após atendimento psiquiátrico, maníaco deve retornar para presídio

A equipe que levou Dionathan até o CAPS era composta por três policiais militares e três bombeiros. Segundo a Agepen, este procedimento é adotado quando se trata de um paciente psiquiatrico.

Conforme nota divulgada pela Agepen, a medida se fez necessária, após Dyonathan se recusar a receber alimentação na noite de ontem e durante o dia de hoje. O interno também não aceitava tomar os remédios prescritos e apresentava comportamento irregular e confuso.

“A saída do interditado do presídio objetiva apenas oferecer a ele um atendimento mais completo neste momento, retornando na sequência ao presídio. Por se tratar de interno psiquiátrico, o transporte é necessariamente feito pelo Corpo de Bombeiros, com acompanhamento da escolta da Polícia Militar”, diz o documento.

No dia 20 de setembro, ele provocou outros presos e atacou agentes penitenciários. A confusão teve início por volta das 11h25, quando Dyonathan começou a jogar a “marmita” e outros objetos nos presos. O rapaz cumpre pena em uma cela separada dos demais, e tem uma área de banho de sol própria. Na hora de ser recolhido, ele cuspiu nos agentes penitenciários e os ameaçou com um cabo de vassoura com a ponta quebrada, espécie de lança, segundo o registro policial. Um dos agentes acabou atingido no braço.

CRIMES

O Maníaco da Cruz matou três pessoas em Rio Brilhante quando era adolescente e cumpriu a medida sócio-educativa na Unei (Unidade Educacional de Internação) em Ponta Porã. No entanto, após completar 21 anos, ele deveria ser solto, mas não foi liberado pela Justiça devido às avaliações psquiátricas.

No início deste mês, a Agepen informou que procura uma unidade de saúde fora do Estado para transferir o Maníaco da Cruz.

Comentários

comentários