Mais de 15 mil cães e gatos foram vacinados contra a raiva na Capital

Divulgação

Do dia 20 a 28 de junho, 10.758 cães e 4.933 gatos foram vacinados contra a raiva em Campo Grande, de acordo com a primeira parcial da campanha antirrábica 2019, divulgada nesta segunda-feira (01) pelo Centro de Controle de Zoonoses e Bem-Estar Animal (CCZ). Os dados consideram os animais vacinados de casa em casa e também no próprio órgão durante o período mencionado.

A campanha de vacinação antirrábica deste ano tem como meta vacinar 80% da população canina e felina, estimada em 160 e 40 mil, respectivamente, em Campo Grande.

Nesta semana,  os agentes do CZZ iniciaram a vacinação de casa em casa na região do Bairro Mata do Grosso e devem seguir posteriormente, conforme cronograma pré-estabelecido, para os bairros Monte Castelo e Jardim Seminário. Na última semana, o trabalho foi realizado nos bairros Nova Lima e Campo Belo.

O servidores devem estar uniformizados e, portando, a identificação funcional. Nos imóveis fechados ou sem a presença dos moradores, os agentes estão deixando um informe, reforçando a importância da vacinação e orientando os moradores a procurarem diretamente o órgão para imunizar os animais.

A coordenadora do CCZ, Iara Helena Domingues, reforça que única forma de manter o controle da doença em Campo Grande é com a vacinação dos animais. As doses são gratuitas e protegem os animais contra a raiva, que é fatal.

“A população precisa ficar atenta porque a raiva é uma doença fatal. A vacina é gratuita e está à disposição de todos, portanto não há desculpa para não vacinar o animalzinho”, disse.

A coordenadora ressalta que  todos os cães e felinos com mais de três meses devem receber as doses, inclusive cadelas e gatas prenhas ou em lactação. Na campanha do ano passado (2018),  foram 101.778 cães e 34.900 gatos vacinados.

Casos

O último caso de raiva humana no Município foi registrado em 1968. Já em cães e gatos, o último caso ocorreu em 1988, onde após 23 anos, foi registrado um caso isolado em 2011 de raiva canina, cujo cão adquirira a doença por meio do contato com um morcego contaminado com o vírus.

Incurável nos animais e fatal em 100% dos casos, a doença é uma zoonose e, portanto, também pode afetar os seres humanos. A raiva é letal e o vírus pode ser transmitido para os seres humanos a partir da mordida, lambida ou machucados causados por mamíferos contaminados. Já o contato com a pele do animal não oferece riscos.

Atendimento no CCZ

Os donos de animais indicados para vacinação também podem levá-los até o CCZ – localizado Avenida Filinto Muller, 1601 – Vila Ipiranga. O centro funciona todos os dias da semana, das 7h às 21h, sendo que sábados, domingos e feriados, a abertura ocorre uma hora mais cedo.

Comentários