Mãe mata filho por ser homossexual

Reprodução/Facebook

Na tarde desta quarta a quarta-feira (1), a gerente de supermercado Tatiana Lozano Pereira confessou ter assassinado seu filho, Itaberlly, de 19 anos, em Ribeirão Preto, interior de São Paulo.

Tatiana matou seu próprio filho a facadas no dia 29 de dezembro de 2016 e contou com a ajuda do marido, que era padrasto de Itaberlly. O esposo incendiou o corpo do jovem um canavial numa tentativa de ocultação de cadáver.
“Ele usava drogas e levava homens para casa”, declarou Tatiane ao relatar para a polícia que o comportamento do filho provocou o incidente.

Familiares negaram que o jovem usava drogas, afirmaram que a mãe não aceitava a orientação sexual do filho e que esse seria o principal motivo do crime.

No sábado, 7 de janeiro, um cadáver carbonizado foi encontrado no meio do canavial e despertou suspeitas que poderia ser do rapaz. No entanto, o boletim de ocorrência (B.O) do desaparecimento só teria sido registrado pela família na segunda-feira, 9 de janeiro. Os dois, Tatiana e o padrasto do jovem, trabalhavam juntos em um supermercado.

Os dois foram indiciados por homicídio doloso, quando há intenção de matar, duplamente qualificado, por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima, além de ocultação de cadáver.

O delegado Elton Testi, responsável pelo caso, informou que já pediu a prisão temporária da mãe e do padrasto por 30 dias. Os dois já foram ouvidos e uma nova perícia na casa da mãe, o local do crime, foi solicitada.

A Polícia Civil informou ainda que não descarta a participação de outras pessoas no homicídio e que irá esperar os resultados da perícia para determinar as linhas de investigação.

 

Comentários