Madetta defende o registro de medicamentos à base de canabidiol

G1/JP

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta quarta-feira (21) que é favorável ao registro de medicamentos à base de canabidiol (um dos vários princípios ativos da Cannabis sativa). No entanto, Mandetta afirmou ser contrário à liberação do cultivo comercial da planta no país. É da Cannabis que se faz a maconha.

Em 2015 o canabidiol foi retirado da lista de substâncias proibidas no país. Nos anos seguintes, foi liberado o registro de medicamentos à base do princípio ativo. No entanto, o canabidiol ainda não pode ser produzido no Brasil.

Mandetta afirmou que a substância tem mostrado eficiência principalmente no tratamento de síndromes em que os pacientes apresentam convulsões que não se controlam com os remédios convencionais. De acordo com o ministro, por se tratar de um número restrito de pacientes, não se justificaria a produção no país, por conta do preço.

Segundo ele, o plantio da Cannabis para fins comerciais traria uma consequência negativa, que é o alastramento do uso do THC (outro princípio ativo, com comprovados malefícios para a saúde).

“Então a gente acha que deve dar o registro [do canabidiol], deve trazer a molécula. Se quiser importar, importa. Mas não vejo nenhuma razão para gente colocar um estoque enorme de THC, com os malefícios que o THC traz”, disse o ministro.

“Esse número de pacientes é um número muito restrito, que vai precisar desse medicamento”, afirmou Mandetta. “Como o volume é pequeno, não justifica você fazer uma fábrica. Você vai ficar com um preço enorme para aqueles pacientes”, concluiu Mandetta.

Mandetta afirmou que o Ministério da Saúde é favorável ao plantio da Cannabis para pesquisas científicas. Ele ressaltou que a liberação para plantio comercial ou recreativo daria ao país “uma droga a mais” contra a qual lutar.

“Para nós, da Saúde, seria uma droga a mais para a gente lutar. Se você pega álcool, tabaco, que são drogas legalizadas, você tem uma luta enorme pelo malefício de ambos”, concluiu.

Comentários