Luana Piovani será capa da 1ª edição da nova Playboy

A Playboy retornará às bancas em abril com a atriz Luana Piovani – que completa 40 anos em agosto e é mãe de três filhos – como capa da sua 1ª edição sob nova direção. Inicialmente, a data de relançamento tinha sido anunciada para março. A atriz foi anunciada como a nova capa nesta quinta-feira (5).

Hashtag quarentona, modelo musa: Luana Piovani será capa (Foto: Darlan Alvarenga/G1)
Hashtag quarentona, modelo musa: Luana Piovani será capa (Foto: Darlan Alvarenga/G1)

 

A própria Luana publicou uma foto em seu perfil em uma rede social usando as orelhas das chamadas “coelhinhas” da publicação e chegou ao evento do anúncio em São Paulo, dizendo estar “eufórica” porque “faz só o que gosta”. Veja vídeo acima

Falando à imprensa, a atriz afirmou que aceitou o convite porque o conceito da revista “mudou”.

Mas a novidade de maior impacto anunciada pelos novos editores é a decisão de não pagar mais cachê para as mulheres fotografadas e abrir mão do nu frontal obrigatório nos ensaios.

A próxima “coelhinha” confirmou que não haverá remuneração. “Se você paga tem uma cobrança, que não é legal”, disse. Ela deixou claro, no entanto, que ninguém topa um trabalho desse tipo só por amizade. “Vocês conhecem o mercado publicitário. Eu assinei o contrato e, ontem mesmo, o telefone lá de casa já tocou. Já tem gente interessada em fazer campanha e duas marcas querendo fazer anúncio na minha Playboy”, explicou, revelando ainda que será colunista da publicação.

A nova editora da Playboy é a PBB Entertainment, criada pelo fotógrafo de moda André Sanseverino e os empresários Marcos de Abreu e Edson Oliveira.

Lançada no Brasil há 41 anos, a Playboy deixou de circular em dezembro, após a Editora Abril decidir deixar de publicar a revista.

Luana Piovani e André Sanseverino, um dos criadores da nova editora da Playboy no Brasil (Foto: Darlan Alvarenga/G1)
Luana Piovani e André Sanseverino, um dos criadores da nova editora da Playboy no Brasil (Foto: Darlan Alvarenga/G1)

A Playboy será o primeiro projeto editorial da PBB Entertainment, que prevê com o licenciamento da marca oferecer também conteúdo na internet, aplicativos, e-commerce e organização de eventos.

A primeira edição terá tiragem de 100 mil exemplares. Segundo os editores, o lançamento foi adiado de março para abril apenas por uma questão de logística e não por dificuldades para encontrar um nome para a capa de relançamento da revista.

“Eu tinha 2 sonhos na vida: um era comprar a Playboy, o outro era ter a Luana Piovani na capa”, disse Sanseverino.

Sem cachê

Em carta à imprensa divulgada nesta quinta-feira (4), os editores afirmam que os ensaios não serão mais pagos com cachê porque “o corpo da mulher não tem preço”. Leia íntegra da carta mais abaixo

“Os ensaios não serão mais pagos com cachê porque o corpo da mulher não tem preço. Na nova Playboy, não haverá leilão sobre qual estrela foi mais bem paga, porque nenhuma mulher vale mais que outra”, diz a carta.

“Na nova Playboy, a mulher não será objeto de nudez, ela terá voz na revista e suas histórias de vida serão valorizadas A nudez irá sempre existir, o que muda é o tom e o olhar sobre essa estrela”, acrescentam.

Segundo os editores, as mulheres que posarem para a revista serão “parceiras” e poderão “ter acesso a eventuais acordos e contrapartidas não editoriais, sempre articulados pela vice-presidência de Vendas, Marketing e Publicidade”.

“As mulheres vão se despir como e o quanto quiserem, porque a nova Playboy defende que a nudez não deve ser comprada: a mulher é parceira e não terá mais obrigatoriedade de exibir nudez frontal”, diz a revista.

Quarentona modelo musa

Sobre o ensaio, Luana não deu muitos detalhes sobre o que será ocultado ou revelado. Ela elogiou, porém, a desobrigação do nu frontal, mas deixou a questão em aberto para o ensaio que está previsto para se feito no final do mês. “Nos deram liberdade. O corpo é nosso, Cada uma mostra o que quiser”, disse.

Sobre a decisão de aceitar posar para um ensaio na Playboy só às vésperas de completar 40 anos e as mudanças em seu corpo nesses últimos anos, ela brincou: “Vou apresentar os meus seios pós- mamada de gêmeos. Não tenho medo de críticas. Mas é outro corpo. Hoje eu sou uma Ferrari batida”, disse. “A hashtag é quarentona modelo musa”, brincou.

Usando um vestido preto justo, que deixava as pernas à mostra, a atriz fez ainda um discurso em defesa na “naturalidade” e da beleza sem artificialismo. “Vamos ter Photoshop, mas vocês não vão ver uma Luana diferente do que ela é. A perfeição não existe. Para fazer a “Mulher Invisível [o filme]m eu levava 3 horas e meia só para me arrumar”,

Nos EUA, Playboy abandonou o nu

Em outubro do ano passado, a Playboy americana anunciou a decisão de parar de publicar fotos de mulheres nuas em razão da concorrência de sites pornográficos.

Em seus 62 anos de história, a Playboy tornou-se uma das revistas mensais masculinas mais vendidas do mundo. Além da Playboy Brazil e da edição americana da revista, há 22 edições estrangeiras de Playboy publicadas.

Confira abaixo a carta à imprensa divulgada pela Playboy:
“Mulheres serão parceiras da nova Playboy”

“Revista aposta no reposicionamento dos valores editoriais da marca para resgatar prestígio. Publicação não pagará cachê por ensaios porque defende que a nudez não deve ser comprada.

Com o desafio de se manter como a maior revista masculina do país e resgatar seu prestígio, a nova Playboy aposta no reposicionamento dos valores editoriais da marca, atualizando sua filosofia, afinal é preciso acompanhar o progresso da sociedade.

Na nova Playboy, a mulher não será objeto de nudez, ela terá voz na revista e suas histórias de vida serão valorizadas A nudez irá sempre existir, o que muda é o tom e o olhar sobre essa estrela.

Foi pelo prazer de se despir, nesse contexto de novos valores, que a revista conquistou a primeira capa de sua nova fase. Os ensaios não serão mais pagos com cachê porque o corpo da mulher não tem preço. Na nova Playboy, não haverá leilão sobre qual estrela foi mais bem paga, porque nenhuma mulher vale mais que outra.

As mulheres vão se despir como e o quanto quiserem, porque a nova Playboy defende que a nudez não deve ser comprada: a mulher é parceira e não terá mais obrigatoriedade de exibir nudez frontal. Assim, fica estabelecido que a estrela pode ter acesso a eventuais acordos e contrapartidas não editoriais, sempre articulados pela vice-presidência de Vendas, Marketing e Publicidade.

A revista, lançada no Brasil pela Editora Abril há 41 anos, retornará às bancas de todo o país em abril e será o primeiro produto apresentado pela nova editora PBB Entertainment, que garante convergência da publicação com site, aplicativos, e-commerce e organização de eventos.

Os principais valores editoriais da Playboy serão preservados. A missão é celebrar a vida e os seus prazeres, trazendo ensaios fotográficos com mulheres e jornalismo com inteligência, sofisticação e bom humor. Aliado a isso, a PBB aposta no modelo das startups, com uma redação estruturada horizontalmente e mentalidade jovem para fazer a revista.

Capitaneada pelo publisher André Sanseverino, a equipe será dirigida por uma dupla formada pelo editor-chefe e pela diretora de criação, que representa não somente a co-gestão entre arte e texto no desenvolvimento de um novo projeto editorial e gráfico, como simboliza a união de um homem e uma mulher à frente da nova Playboy.

A PBB é fruto da união de experiências de três sócios brasileiros: os empresários Marcos de Abreu, acionista-controlador de um grupo empresarial com atuação em diversos ramos da economia, que é Presidente do Conselho Empresarial; Edson Oliveira, executivo do mercado financeiro e empreendedor nas áreas de tecnologia e gestão, que é o Vice-Presidente de Vendas, Marketing & Publicidade; e André Sanseverino, fotógrafo de moda premiado pela Playboy, com trabalho em mais de 30 países, Vice-Presidente e Publisher.” (G1)

Comentários

comentários