Mansour Karmouche destaca restauração da classe como legado: ‘Advocacia ressurgiu com protagonismo’

Michael Franco

Mansour Karmouche nos estúdios da Capital 95 FM (Foto: Michael Franco)

O atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS) e candidato à reeleição, pela chapa OAB em Ordem, Mansour Elias Karmouche participou do programa Tribuna Livre da rádio Capital 95 FM, na manhã desta quarta-feira (14). Ele falou de seu legado na gestão e das propostas e objetivos caso seja reeleito. Para ele a volta do protagonismo da classe e a luta por pautas inéditas são marcas da gestão.

“Acho que desenvolvemos um bom trabalho, a advocacia ressurgiu com protagonismo inédito. Talvez tenhamos consegui avançar em diversos temas que até então não estavam em voga. A cereja do bolo é o projeto de lei que criminaliza a violação das nossas prerrogativas”.

Além de falar dos feitos da atual gestão, Karmouche salientou o desejo da continuidade do trabalho caso vença novamente as eleições da OAB. Segundo o candidato, a instituição deve ser firme em manter-se afastada de condições partidárias. “Continuar com esse projeto de inclusão, não fazer política de grupo. Não deixar que partidos políticos permeiem a nossa instituição, como já foi no passado. Precisamos estar livres de qualquer amarra”.

A respeito do ensino jurídico nas universidades, tão debatido após a autorização do governo Federal para a abertura de novos cursos, Karmouche comentou que a Ordem faz as medidas possíveis, no entanto, o governo federal não aceita a opinião da instituição. “Esse governo que não tem envergadura moral nenhuma, tem sustentado fazendo fisiologismo com a classe política criando novas vagas de Direito. A OAB exerce uma função opinativa e o governo não respeita, a maioria dos cursos que o Conselho Federal opina pela não concessão de criação, o governo não respeita. O que a gente pode fazer é fiscalizar”.

Mansour Karmouche citou o selo de qualidade do Conselho Federal da OAB. Após uma fiscalização, a instituição dá um selo para os cursos aprovados. Uma maneira de comprovar a credibilidade do ensino.

Confira a entrevista completa:

TRIBUNA LIVRE – 14/11/2018

Posted by Capital 95 FM on Wednesday, November 14, 2018

Comentários