Juvenal Neto vê falência iminente dos municípios se não houver união

Neto e o presidente do FGM, Divino Alexandre, durante o ato
Neto e o presidente do FGM, Divino Alexandre, durante o ato

O presidente da Assomasul, Juvenal Neto (PSDB), defendeu nesta segunda-feira (18), ao participar do 1º Encontro das Associações Estaduais de Municípios do Centro-Oeste, em Goiânia, um pacto de união no sentido de garantir avanços em favor dos municípios.

Além de Neto, participaram do ato dirigentes das associações de municípios dos demais estados do Centro-Oeste, além de Tocantins e Rondônia.

Apesar de otimista quanto ao resultado positivo das mobilizações permanentes em favor dos municípios, Neto adverte sobre a iminente falência das prefeituras se não houver união dos agentes públicos e da bancada federal.

O presidente da Assomasul avaliou que o encontro em Goiânia foi de extrema importância para a região.

“Tenho certeza que vamos avançar em assuntos fundamentais para nossos municípios. Há a necessidade de nos unirmos e pensarmos a curto, médio e longo prazo. Sem a união, teremos em um futuro bem próximo a falência total dos municípios”, previu em entrevista ao site oficial da AGM (Associação Goiana dos Municípios).

O evento visa a maior integração entre essas entidades, a fim de promover o intercâmbio de experiências e o fortalecimento do movimento municipalista, sobretudo nessas regiões que possuem uma realidade semelhante diante das dificuldades e também das qualidades.

Atento as discussões de interesse dos municípios, Neto está mobilizando os prefeitos de Mato Grosso do Sul para a XV III Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, que ocorre de 25 a 28 deste mês.

Neto acha que a participação maciça dos agentes públicos durante o ato é muito importante para que a as reivindicações a serem apresentadas durante a Marcha a Brasília, liderada pela CNM (Confederação Nacional de Municípios), sejam atendidas.

Durante o ato, Neto trocou impressões com o presidente da FGM (Federação Goiana de Municípios), Divino Alexandre, que como ele concorda que a revisão do Pacto Federativo é uma prioridade.

“Para a carga de obrigações que está sendo colocada sobre o municípios tem que ter recursos suficientes. Não tenha dúvida, é o município que está bancando grande parte da Saúde e da Educação”, ponderou Alexandre. “É o hora dos prefeitos se unirem, mais ainda, em prol desta luta por melhorias”, salientou.

CARTA DE GOIÂNIA

Ao final do encontro em Goiânia, os presidentes e representantes das entidades municipalistas apresentaram uma carta de resoluções.

Entre os pontos principais, estão a luta para a realização do repasse do FEX de 2015, a logística no setor de transportes e a necessidade de fomento ao desenvolvimento regional integrado.

A carta estabelece ainda a periodicidade das reuniões e o apoio à pauta municipalista da CNM e oficializa a criação do Fórum.

O presidente da Associação Goiana de Municípios (AGM), Cleudes Baré Bernardes, fez um balanço positivo do encontro.

“O encontro permitiu a definição de uma pauta de trabalho para buscar aquilo que é comum a todos nós, que é melhorar a vida dos nossos munícipes. Nos sentimos honrados de sediar o primeiro encontro em nosso estado e não tenho dúvida que essa iniciativa servirá de exemplo para as outras regiões do país”.

De acordo com o presidente da AMM (Associação Mato Grossense de Municípios), Neurilan Fraga, o encontro foi importante para discutir os gargalos da região. Entre eles, ressaltou a questão do transporte.

“Nossos municípios são penalizados por conta da falta de logística na área de transporte, sobretudo da produção e das nossas riquezas. Também queremos uma presença mais robusta da Sudeco em nossos municípios. Estamos muito otimistas na continuidade desses encontros e que vamos colher frutos com eles”, finalizou o presidente.

Comentários

comentários