Justiça nega pedido de Odilon para retirar Bolsonaro de propaganda na TV

Candidato do PSL declarou apoio a Reinaldo Azambuja no 2º turno

A Justiça Eleitoral negou na sexta-feira (12) pedido de tutela de urgência pedida pela coligação do candidato Juiz Odilon (PDT) para retirar o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) da propaganda gratuita na TV em que ele agradece o apoio e deseja boa sorte ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB) no segundo turno.

A coligação Esperança e Mudança (PDT, PRB e Podemos) alegou que Bolsonaro estaria invadindo horário destinado à propaganda de Reinaldo Azambuja, mas o relator, juiz Wagner Mansur Saad, considerou o pedido absurdo porque – conforme explicou na decisão – a vedação atinge apenas a invasão de candidato majoritário (presidente, governador, senador ou prefeito) nas propagandas proporcionais (deputado ou vereador).

“Em casos como o da presente representação, a suposta invasão não possui sequer previsão legal, pois ocorrida entre candidatos da eleição majoritária, não possuindo fundamento para autorizar a concessão de tutela de urgência”, afirmou.

No vídeo, de 25 segundos, Jair Bolsonaro declara apoio ao governador Reinaldo Azambuja e agradece os 769 mil votos (55,06%) que obteve no Estado. “O Reinaldo foi meu colega de parlamento por muito tempo, nos demos muito bem. Eu quero agradecer essa expressiva votação em Mato Grosso do Sul”, afirmou o presidenciável.

“Já morei por três anos em Nioaque, uma cidadezinha pequena, mas muito hospitaleira. E quero desejar a você, Reinaldo, boa sorte agora no segundo turno e agradecer mais uma vez o teu apoio a nossa candidatura”, acrescentou.

Desde as convenções, o PSDB de Reinaldo Azambuja e o PSL de Jair Bolsonaro caminham lado a lado em Mato Grosso do Sul. Juntas, as legendas elegeram 11 deputados no primeiro turno. Reinaldo foi o único candidato a governador de Mato Grosso do Sul que, desde o 1º turno, apoiou Bolsonaro.

Comentários