Justiça Eleitoral pede reforço policial para garantir eleição em Tacuru

Da Redação/JN

A Justiça Eleitoral pediu reforço ao comando da Polícia Militar para garantir a segurança a partir desta semana em Tacuru (MS) até a eleição suplementar marcada para o próximo domingo (4), conforme informa o portal de notícias G1, da Rede Globo.

(Foto: Vilson Nascimento)

O pedido foi feito nesta segunda-feira (29), depois que a candidata à vice-prefeita foi vítima de um atentado no fim de semana. O carro em que ela estava foi atingido por disparos de arma de fogo.

Investigadores da Polícia Civil estiveram nesta tarde no assentamento onde aconteceu o crime em buscas de informações.

O delegado Mikail Faria disse em entrevista à TV Morena que as partes do carro atingidas pelos tiros apontam indícios de execução. “Foram para acertar o motorista e não para assustar”, afirmou.

As balas atingiram a lateral esquerda do veículo da vereadora. (Foto: Reprodução)

Ele disse que não pode passar mais detalhes para não atrapalhar as investigações. O caso foi registrado como disparo de arma de fogo. Dois homens foram presos por porte ilegal de arma de fogo na mesma noite, perto do local do atentado, mas ainda não pode afirmar que os casos tenham ligação, segundo a Polícia Civil.

Daiane Pedrotti é atualmente vereadora de Tacuru e concorre junto com Paulo Melo à prefeitura da cidade. Paulo Melo é presidente da Câmara de Vereadores e administra o município desde janeiro.

O crime aconteceu há uma semana da eleição suplementar, marcada para o próximo domingo, 4 de junho, quando os 7,1 mil eleitores vão escolher novamente o prefeito e vice porque o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) indeferiu o registro de candidatura da chapa do candidato eleito Claudio Rocha, que venceu em 2016. Desde janeiro, a cidade é administrada pelo presidente da Câmara Municipal, Paulo Melo.

Comentários