Juíza da Capital chega a desembargadora do TJ-MS sendo a 1ª eleita por merecimento

Lúcio Borges

A juíza de Direito, Elizabete Anache, que desempenha funções de primeira instância em Campo Grande, foi eleita e se tornará em 2019 desembargadora do TJ-MS (Tribunal de Justiça de MS). A magistrada faz estória sendo ainda a sexta mulher a compor a mais alta Corte de Justiça do Poder Judiciário sul-mato-grossense, e entra como a primeira juíza a ser promovida e alcançar a função pelo critério merecimento. A votação no concurso de promoção para o cargo mais alto da última instancia da justiça em MS, foi realizada na sessão desta quarta-feira (12) do Tribunal Pleno.
A solenidade de posse da agora Desembargadora Elizabete Anache será em janeiro de 2019. Ao final de uma votação rápida, o Des. Divoncir Schreiner Maran proclamou a juíza como promovida e anunciou os outros dois nomes que compuseram a lista tríplice: Fernando Paes da Campos e Luiz Antonio Cavassa de Almeida.
Conforme histórico jurídico e de serviços prestado, Elizabete Anache, que assume a vaga resultante do falecimento do Des. Manoel Mendes Carli, nasceu em Campo Grande e ingressou na magistratura em fevereiro de 1994, na 1ª circunscrição. Ela foi aprovada no 16º concurso de provas e títulos, e já com uma promoção em novembro daquele ano, foi levada a comarca de Bataguassu. Em novembro de 1996, foi promovida para Bela Vista, comarca de segunda entrância. Por remoção, em julho de 2000, passou a judicar em Aquidauana. Em novembro do ano seguinte, a juíza foi promovida para Campo Grande e titularizou a 1ª Vara de Família e Sucessões da Capital, que é comarca de entrância especial.
Em junho de 2009, por remoção, deixou a 1ª Vara de Família para titularizar a 17ª Vara Cível Virtual, onde permaneceu até a promoção para desembargadora. Integrou a Turma Recursal por dois anos. Foi juíza auxiliar da presidência do TJMS nas gestões 2009/2010 e 2011/2012. Em 2014, ocupou a função de juíza  auxiliar da presidência do TJMS novamente e juiz auxiliar da Corregedoria Geral de Justiça, onde permaneceu até janeiro de 2017.  Atualmente integra o Tribunal Regional Eleitoral de MS (TRE/MS) na classe juiz de direito e é também a ouvidora eleitoral do Estado.
Coramento pelo cargo
Ao ser questionada sobre a responsabilidade de ser a sexta mulher a ocupar uma vaga de desembargadora e a primeira por merecimento, Elizabete afirmou estar muito feliz por ser a promoção o coroamento da carreira. “Espero corresponder às expectativas do jurisdicionado diante da grande responsabilidade que terá ao atuar em segundo grau, além de representar o aumento da participação feminina na composição do Tribunal de Justiça de MS. Não posso deixar de  salientar minha admiração ao trabalho e à personalidade do Des. Manoel Carli, assim, não medirei esforços para honrar seu nome ao sucedê-lo tão precocemente”, afirmou.
O juiz Fernando Cury, presidente da AMAMSUL, destacou o trabalho realizado pela desembargadora eleita nos tantos anos de magistratura e lembrou sua passagem pela diretoria da Associação, na gestão 2011/2012.
“A Elizabete é uma grande magistrada, sempre atualizada e buscando novos aprendizados, além de ser muito querida pelos colegas. Pessoa carismática, comprometida com o Judiciário e com o ideal de justiça. Por onde passou, ao longo da carreira, representou muito bem a magistratura e não tenho dúvidas que fará um trabalho exemplar em segundo grau. O jurisdicionado que busca a justiça em segundo grau ganha uma excelente julgadora”.

Comentários