Juiz Odilon de Oliveira não descarta entrar na política depois da aposentadoria

O juiz federal Odilon de Oliveira afirmou durante entrevista ao programa Capital Meio Dia da FM Capital , desta terça-feira (19), que ainda não tem um projeto mas que pretende após se aposentar continuar fazendo “um trabalho que beneficie a sociedade e se o meio para realização for a esfera politica irei para área sem qualquer problema”.

Em anos anteriores  Odilon recebeu convites para se filiar vindos de diversos partidos políticos e lhe foram abertas opções aos cargos legislativos – deputado estadual ou federal, senador -, ou ainda ao governo do Estado.

O magistrado também respondeu a perguntas sobre temas polêmicos no pais, como a legalização das drogas, a redução da maioridade penal para 16 anos entre outros assuntos, como as gravações do longa metragem “Em nome da Lei”, inspirado na vida do juiz.

Sobre a redução da maioridade penal Odilon se posiciona favorável desde que tenha um local especifico e com estrutura preparada para receber os menores. ” O que falta no Brasil é muita prevenção, que também deve começar em casa, com a família. Não existe hoje no pais uma politica séria de prevenção para evitar que o menor de idade seja arrastado para o crime, por isso eu sou favorável sim a redução penal desde que haja um tipo de prisão escola para auxiliar na recuperação desses jovens, se for de outra forma eu sou contra”, ressalta

Em relação a proposta de legalização das drogas Odilon se posiciona contra a legalização e a favor da liberação da maconha somente para fins medicinais para o auxilio em tratamentos médicos.

“As drogas matam ,desestruturam famílias, destroem sonhos. Para se ter uma ideia o Brasil tem mais de 200 mil crianças viciadas somente em crack, fora as outras drogas, e se houver a legalização da maconha vamos ter um aumento na produção e no consumo, não de 4% mas sim de 4 vezes mais e as drogas trazem consequências desastrosas. Sou a favor da liberação apenas da maconha no tratamento de convulsões, doenças de Parkison, entre outras”, concluiu.

Comentários

comentários