Jovem tem morte cerebral e é mantida viva para dar à luz em MS

Caso inédito em Mato Grosso do Sul. da grávida campo-grandense Renata Souza Sodré, de 22 anos, que há mais de um mês teve morte cerebral constatada e é mantida viva para gerar o filho, Yago,, é o primeiro registrado em Mato Grosso do Sul e o terceiro de que se tem notícia no Brasil.

Renata estava grávida de quase cinco meses – Foto: Reprodução/Facebook

Após sofrer um AVC (Acidente Vascular Cerebral) em 27 de janeiro, Renata teve a morte cerebral constatada por dois exames clínicos mais exame de imagem. Os exames também apontaram que o feto vivia e entrava na 17ª semana.

Com o caso explicado à família e acompanhado pela Comissão de Ética do hospital, começou a administração diária de medicamentos, pois, com a morte cerebral, o corpo para de produzir hormônios.

A médica intensivista Patrícia Leal, que integra a equipe da Santa Casa responsável pelos cuidados de Renata, conta que ela está em um leito de isolamento na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Os cuidados são redobrados para que ela não tenha qualquer tipo de infecção que acelere o nascimento do filho. Além de aparelhos, medicamentos intravenosos são usados para manter a jovem viva.

Assim que o bebê atingir as 28 semanas de vida dentro do útero de Renata, cesárea será feita e a mãe deve voltar para a UTI, onde equipe especializada em transplante de órgãos analisará a jovem para decidir o que poderá ser doado. A família da jovem autorizou doação de todos órgãos, com exceção das córneas.

A causa do AVC na gestante de 22 anos não será esclarecida porque a morte cerebral cessa a circulação de sangue no órgão. Na gestação, as paredes vasculares ficam mais frágeis devido à ação de hormônios.

Comentários