Jovem que matou gerente de vendas tem prisão decretada

A Justiça decretou a prisão preventiva de Lucas dos Santos Mesquita, 18 anos, que confessou o assassinato de José Rodrigo Chaves dos Santos, 35 anos, gerente de uma loja, que foi achado morto na manhã desta segunda-feira (6), em um apartamento na Rua Bahia, no Bairro Monte Castelo, em Campo Grande.

José Rodrigo Chaves dos Santos, 35 anos, foi encontrado morto com dez facadas no apartamento onde vivia

Segundo a delegada Daniela Kades, responsável pelas investigações, o jovem chegou a simular uma tentativa de suicídio para despistar o achado do corpo e a prisão dele.

Lucas contou à polícia que conheceu a vítima em uma tabacaria, foram para o apartamento localizado no cruzamento das ruas Bahia com a Abrão Julio Rahe. Lá, teriam ingerido bebida alcoólica e a briga começou quando a vítima tentou ter relações sexuais com ele. Armado com uma faca, ele teria dado golpes na cabeça do gerente de vendas.

“Ele confessou o crime e soubemos que ambos se conheceram horas antes, em uma tabacaria. As imagens do local, entretando, gravam somente 24 horas. Mas, nós conseguimos outras imagens que mostram o suspeito limpando a mão suja de sangue na camiseta e saindo do local”, afirmou a delegada.

O CASO

José Rodrigo Chaves dos Santos, foi encontrado morto na manhã de segunda (6). Segundo a polícia, havia muito sangue espalhado no apartamento dele e também indícios de que a vítima lutou com o suspeito.

A equipe que esteve no local, por volta das 9 horas, também verificou ao menos 9 perfurações no rosto do homem. A investigação já possui algumas hipóteses para o crime. No entanto, a questão do roubo foi quase descartada, já que diversos objetos de valor, como televisor e notebook foram encontrados no local.

A vítima atuava há 12 anos em uma empresa e era considerado um funcionário de confiança. Há seis meses, os patrões inclusive o ajudaram com a moradia no sobrado. Como ele não foi trabalhar, os colegas decidiram procurá-lo e encontraram a porta aberta, imóveis revirados e a vítima morta.

Comentários