Jovem que levou tiro de ex-marido havia registrado sete BOs por violência e pedido de prisão

Lúcio Borges

Homem invadiu loja, atirou em mulher e depois tentou tirar a própria vida. (Foto Paulo Francis)

O jovem Jhonny Souza, 31 anos, que cometeu uma tentativa de homicídio, contra a ex-esposa Pamella Jennifer Garicoi, na tarde desta quinta-feira (23), já tinha sido registrado na policia como agressor por violência doméstica em sete BOs (boletins de ocorrências). Ontem mesmo, ele havia tido até pedido de prisão feito por ela, que novamente o denunciava, momentos antes do crime, na DEAM (Delegacia de Atendimento a Mulher). A jovem fez ontem, a sétima denuncia por ele estar descumprido medida protetiva, que ela já detinha contra ele, como o Página Brazil noticiou na manhã de hoje. A violência, foi mais um tipo de feminicídio (crime exclusivo contra a mulher), realizada no local de trabalho dela, porque o rapaz não aceita a separação, que ocorreu a poucos meses, após anos de casamento, mas marcado por agressões há oito anos. Ela, corre alto risco de morte e ele, que tentou se suicidar após a ação, também ainda não está bem.

A vítima de 32 anos, e o agressor foram casados por 11 anos e deste relacionamento tiveram uma filha, que está com cinco anos. A mulher deixou registrado à polícia, pouco antes de sofrer a tentativa de feminicídio, que o ex-marido era agressivo, violento e não queria aceitar o fim do casamento. De acordo com o relato da mulher feito na DEAM, ela já havia registrado outros seis BOs, contra o ex-marido, desde 2009, quando da primeira vez que sofreu alguma agressão. Após, novamente houve registros em 2012, 2014, 2015, 2016 e 2017. “Mesmo com as medidas protetivas de urgência contra ele, não parou de me procurar e ameaçar”, relatou Pamella.

A mulher ainda mencionou que no início deste mês, o ex-marido teria começado a enviar mensagens, pedindo que ela reatasse o relacionamento, mas ela não quis. Ainda no início do mês ele teria ligado para o telefone da ex-mulher, mas a mãe dela atendeu, quando ele ameaçou “Fala para ela tirar a queixa contra mim, senão ela vai ver, você não sabe do que eu sou capaz, ainda estou me segurando por causa da minha filha”.

Após o episodio, Pamela apontou que com medo, trocou o número do telefone, mas o ex conseguiu o contato da mulher e voltou a fazer as ameaças. A última ameaça foi recente, no dia anterior, nesta quarta-feira (22). Com isso, ela decidiu na manhã do dia seguinte, ontem, procurar a polícia e denunciá-lo com maior gravidade por ameaça, qualificada por violência doméstica e desobediência à decisão judicial, sobre perda ou suspensão de direito.

Marcas de sangue no chão da loja (Foto: Paulo Francis)

Estado de saúde

A assessoria do hospital Santa Casa de Campo Grande, relata que Pamela, ferida a tiro no peito e cabeça, e Jhonny, que tentou cometer suicídio após o crime, estão em estado grave. O estado de saúde de Pamela, no entanto, é mais delicado.

A vítima foi ferida por um tiro na nuca, que atingiu a primeira vértebra. Ela foi encaminhada para o CTI (Centro de Terapia Intensiva), onde permanece sob observação até que esteja estabilizada para passar por qualquer procedimento cirúrgico necessário.

Já o ex-marido da vítima, que se deu um tiro abaixo do queixo, atirando para cima, permanece na área vermelha do hospital. O disparo não atingiu o cérebro do homem, mas teria chegado até o olho.

Na tarde de quinta-feira, o ex-marido procurou a vítima em seu local de trabalho, um comercio de gesso, que fica na Avenida Mascarenhas de Moraes, bairro Monte Castelo. Ela chegou ao local, vindo da Delegacia da Mulher. Ao entrar no trabalho, ela viu o rapaz e ainda tentou se esconder dele que, armado, atirou contra a vítima e depois tentou suicídio.

Jhonny ainda foi tentado a se acalmar pela mãe de Pamella, que a acompanhava. Mas, ele saiu da rua e entrou direto na loja já atirando na direção da vitima e ainda quase acertou uma outra funcionária e uma cliente do estabelecimento.

Reportagem – Lúcio Borges 

Comentários