Jovem morto deixou UPA sem liberação médica, diz comunicado

Wesley Alves da Silva, 19 anos, morto horas depois de deixar a UPA em Dourados, não foi dispensado da unidade por médico. É o que diz comunicado assinado pelo diretor técnico da unidade, o médico Antônio Flávio Bichofe.

Família prestou ocorrência contra UPA por falta de atendimento Foto: Arquivo
Família prestou ocorrência contra UPA por falta de atendimento Foto: Arquivo

 

Familiares acusam a UPA de negligência de atendimento e procuraram a delegacia para prestar ocorrência.

Familiares disseram que Wesley sofreu acidente no sábado à tarde quando pilotava uma moto Biz. A colisão foi contra um carro. Ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado à UPA.

No local, a família alega que o rapaz foi mandado para casa sem atendimento necessário. Ele passou mal no mesmo dia, em casa, sendo levado ao Hospital da Vida, mas não resistiu e morreu por volta das 21h.

De acordo como a ficha realizada pelos socorristas, o rapaz apresentava dor de cabeça, sonolência, ferimento na região da panturrilha esquerda, com exposição muscular e de tendões.

Segundo documento emitido pela UPA, Wesley deu entrada na unidade às 13h50 de sábado, sendo atendido pelo plantonista e classificado em “área vermelha”, pacientes em casos de urgência. O jovem teria relatado ao plantonista dores na região lombar e cervical.

Ele foi encaminhado para exame de raio-X e exame de observação assistida. Quase duas horas depois, às 15h45, segundo a UPA, o médico plantonista avaliou o exame e procedeu reavaliação do paciente.

Ainda segundo o documento assinando pelo médico Antônio Flávio, Wesley se demonstrou pouco colaborativo, comprometendo a avaliação. Já às 16h20, conforme prontuário, o médico plantonista não encontrou Wesley na sala de observação, tampouco na chamada nominal.

Comentários

comentários