Jornalista é queimado vivo após denúncias publicadas em perfil no Facebook

O jornalista era responsável por uma publicação indepente na cidade de Shahjahanpur, na Índia. Foto: Facebook / Reprodução
O jornalista era responsável por uma publicação indepente na cidade de Shahjahanpur, na Índia. Foto: Facebook / Reprodução

O jornalista Jagendra Singh foi queimado vivo, na Índia, e as autoridades policias estão relacionando sua morte com uma série de publicações com denúncias feitas em um de seus perfis no Facebook. As publicações acusavam Ram Murti Verma, um ministro de gabinete na Assembleia Legislativa de Uttar Pradesh, de corrupção e ocupação ilegal de terras.

As publicações, em Hindi, acusavam um político de ocupação ilegal de terras

Segundo o “IBN Live”, as acusações de Jagendra teriam despertado a raiva do político, queria teria envolvido o jornalista em uma falsa acusação para que a polícia pudesse prendê-lo. A família diz, no entanto, que a finalidade dos policiais nunca foi prender Jagendra. Segundo a esposa, um oficial teria entrado na casa e ateado fogo em Jagendra. Ele morreu nesta terça-feira, em decorrência dos ferimentos, no hospital Lucknow.

“O inspetor e outros homens entraram em nossa casa, jogaram gasolina nele e atearam fogo”, contou a esposa de Jagendra a uma rede de televisão local. Ela disse ainda que esta não foi a primeira vez que o marido foi atacado por causa de suas denúncias.

A polícia, por sua vez, diz que foi a casa do jornalista para prendê-lo e que ele cometeu suicídio, ateando fogo ao próprio corpo. Ram Murti e outros cinco suspeitos de envolvimento na morte do jornalista foram presos e serão investigados, segundo o jornal inglês “The Independent”.

Jagendra era responsável pelo jornal independente “Shahjahanpur Samachar”, que conta com 5.000 amigos e outros 1.500 seguidores. Em seu perfil pessoal, o jornalista possui quase 5.000 amigos e mais quase 3.000 seguidores.

EXTRA

Comentários

comentários