Jornal paraguaio “culpa” PCC por chacina e acredita que ação pode terminar em guerra na fronteira

O jornal paraguaio ABC Color remeteu a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) a autoria da chacina cometida no final da tarde de segunda-feira (19) em Paranhos, cidade que faz fronteira com o país vizinho através de Mato Grosso do Sul. Na ocasião, cinco pessoas morreram e três ficaram feridas.

Arnaldo foi morto durante chacina em Paranhos - Foto: Divulgação/WhatsApp
Arnaldo foi morto durante chacina em Paranhos – Foto: Divulgação/WhatsApp

De acordo com o periódico, o ataque pode desencadear uma verdadeira guerra pelo tráfico na região, já que uma das vítimas, Arnaldo Andrés Alderete Peralta, era traficante conhecido em Ypejhú.

Os outros quatro que morreram são Bruno Vieira de Oliveira, Rodrigo da Silva, Mohamed Youssef Neto e Gustavo Denis. Já Diego Alderete Peralta, 26, irmão de Andrés, perdeu uma perna e está internado em estado grave.

Outros dois feridos são Betton Anderson, que foi submetido a uma cirurgia e Emerson López.

Ainda conforme o jornal, um grupo suspeito chegou a ser abordado pela Polícia Nacional paraguaia em uma Toyota Hillux com as mesmas características da mencionada pela polícia brasileira, porém, nada contra os ocupantes foi encontrado e acabaram liberados.

Por fim, o ABC liga a chacina ao controle do tráfico de drogas na região, “liderado pelo ex-prefeito local, Vilmar “Neneco” Acosta Marques, acusado de ser o mandante de vários assassinatos na região e preso em Mato Grosso do Sul este ano.

Comentários

comentários