Johnson assume governo do Reino Unido com 3 baixas no gabinete

Estadão/Agências/JP

No Palácio de Buckingham, o novo premiê Boris Johnson cumprimenta a rainha Elizabeth II (Foto: Victoria Jones/Pool via AP)

Boris Johnson se transformou oficialmente nesta quarta-feira, 24, no primeiro-ministro britânico com a missão de concretizar a saída do Reino Unido da União Europeia, depois de ter sido recebido pela rainha Elizabeth II e prometeu concluir o Brexit “custe o que custar”.

Johnson disse que vai fazer “um novo acordo, um acordo melhor” com a UE. “Cumpriremos a promessa feita pelo Parlamento ao povo e sairemos da União Europeia em 31 de outubro, incondicionalmente”, declarou em seu primeiro discurso na frente da residência oficial do chefe de governo do Reino Unido, no número 10 de Downing Street.

Uma foto divulgada pelo Palácio de Buckingham em um comunicado mostra Johnson se curvando e apertando a mão da rainha ao assumir o novo cargo. Ele, que é o 14º primeiro-ministro britânico a servir sob o comando da rainha Elizabeth II, teve de passar por um grupo de ambientalistas que formaram uma corrente humana para dificultar seu percurso até o palácio.

Momentos antes, a ex-primeira-ministra britânica Theresa May formalmente apresentou sua renúncia à rainha.

Ela afirmou que obter um Brexit “aceitável para todo o Reino Unido” é a “prioridade imediata” de seu substituto. May falou à imprensa em Downing Street pela última vez como chefe de governo, antes de entregar sua renúncia à rainha Elizabeth II.

Baixas no gabinete 

Momentos depois da oficialização da troca de comando no governo britânico, o secretário das Finanças Philip Hammond, o secretário de Justiça, David Gauke, e o secretário de Desenvolvimento Internacional, Rory Stewart, apresentaram sua renúncia por discordarem da política do novo premiê.

“Entreguei minha renúncia a Theresa May. Foi um privilégio servir como ministro das Finanças nos últimos três anos”, escreveu Philip Hammond no Twitter.

Hammond já havia anunciado que se demitiria caso Boris Johnson fosse eleito premiê e quis com essa decisão demonstrar seu desacordo em relação ao novo chefe de Governo.

Johnson deve nomear nos próximos dias substitutos para essas pastas. Segundo a imprensa britânica, haverá mais mulheres e mais representantes de minorias étnicas no novo governo.

Sua chegada ao poder está longe de ser um apoio unânime. Militantes ecológicos da organização Greenpeace bloquearam brevemente o caminho de Johnson para o Palácio de Buckingham, formando uma cadeia humana na rua.

E quando ele fez seu discurso na porta da Downing Street, os manifestantes anti-Brexit fizeram sua raiva ser ouvida. Johnson foi um dos principais impulsionadores da votação do Brexit no referendo de junho de 2016.

Comentários