João de Deus e a mulher são indiciados pela Polícia Civil por posse ilegal de armas

iG/JP

João de Deus (O Popular/Reprodução)

A Polícia Civil de Goiás indiciou, nesta quinta-feira(10), o médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, e a esposa dele Ana Keyla Teixeira, por porte ilegal de armas. Além disso, também foi encaminhada ao poder judiciário uma denúncia de violação sexual mediante fraude contra o líder espiritual.

As informações são da delegada Karla Fernandes, que concedeu entrevista coletiva em Goiânia. Ainda de acordo com a responsável pela investigação, outras três denúncias contra João de Deus tiveram o arquivamento sugerido, pois têm extinção de punibilidade.

“Hoje nós podemos considerar que a força-tarefa da Polícia Civil encerrou seus procedimentos, pois foram indiciados duas vezes tanto João Teixeira de Faria quanto a esposa dele Ana Keyla por porte ilegal de armas, uma vez que ambos residem nas mesmas residências, tanto em Anápolis quanto em Abadiânia”, disse Karla Fernandes.

De acordo com a delegada, o médium afirmou que as armas que foram encontradas em suas residências eram de pessoas que iriam cometer suicídio ou atentar contra a vida de outros. João de Deus ainda afirmou algumas eram garantias de empréstimos que concedeu. Ainda segundo a responsável pela investigação, uma outra denúncia contra o médium por violação sexual mediante fraude também foi encaminhada.

“Em relação aos abusos nós também estamos encaminhando hoje um inquérito por fato ocorrido em 2016 em que a vítima representou na data correta e reside em São Paulo. Esse inquérito já tinha sido instaurado em agosto do ano passado e está sendo também enviado com indiciamento”, disse a delegada.

Sobre os processos que serão arquivados, ela explicou que, por conta da extinção de punibilidade, o líder espiritual não poderia responder por esses crimes, que aconteceram entre 1987 e 2003. “No entanto, essas oitivas foram necessárias e importantes para mostrar o padrão e modo de execução dele”, explicou.

Outros dois inquéritos de lavagem de dinheiro e estelionato ainda não foram concluídos. De acordo com Karla Fernandes, eles foram juntados em um só processo e demoram mais por conta das perícias e do estudo do patrimônio do médium.

Nesta quarta-feira (9), o médium  se tornou réu e deverá responder na Justiça por violação sexual mediante fraude e estupro de vulneráveis. A denúncia,  oferecida no fim de dezembro pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO), foi recebida pela juíza Rosângela Rodrigues dos Santos. No mesmo dia, ele foi interrogado pela delegada Karla Fernandes.

João de Deus  está preso preventivamente no Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia desde o dia 16 de dezembro, quando se entregou às autoridades após ter a prisão decretada. O líder espiritual, que prestava atendimentos há mais de quatro décadas na Casa Dom Inácio de Loyola, tornou-se alvo de uma série de acusações após as primeiras denúncias serem reveladas no programa Conversa com Bial, da TV Globo .

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu cometário!
Por favor, insira seu nome aqui