Japão decreta feriado de dez dias pela mudança de imperador

Portal G1

Quase 25 milhões de pessoas devem viajar durante o feriado, de dez dias, diz uma agência de viagens. — Foto: Kazuhiro Nogi/AFP
25 milhões de pessoas devem viajar durante o feriado, de dez dias, diz uma agência de viagens. (Foto: Kazuhiro Nogi/AFP

Começa neste sábado (27) no Japão um feriado de dez dias, decretado por causa da mudança de imperador marcada para a próxima terça (30). Até o dia 6 de maio, bancos, escolas, creches e órgãos oficiais não vão funcionar. Vários estabelecimentos comerciais também ficarão fechados, segundo a agência de notícias Reuters.

O atual monarca, Akihito, de 85 anos, vai abdicar em favor do filho, Naruhito, e, a partir de 1º de maio, o país terá uma nova era imperial, a Reiwa. Akihito reina há três décadas.

O feriado, que segundo a Reuters é inédito na duração, deve impulsionar a economia japonesa: 24,7 milhões de pessoas devem viajar — a maioria deles, 24 milhões, para destinos dentro do país, segundo a agência de viagens JTB Corp. O número é 1,2% mais alto que o do mesmo período no ano passado, diz o jornal “The Japan Times”.

O imperador Akihito, de 85 anos, vai abdicar do trono na próxima terça (30). — Foto: Kim Kyung-Hoon/Pool/AFP
O imperador Akihito, de 85 anos, vai abdicar do trono na próxima terça (30). — Foto: Kim Kyung-Hoon/Pool/AFP

Os japoneses estão em clima festivo, com o início da era imperial e a pausa de 10 dias”, afirmou Yoshiie Horii, porta-voz do fabricante de cerveja Asahi Group, que está aumentando a produção de várias marcas em 5 a 10 % antes do feriado. “Achamos que esse feriado vai estimular os gastos do consumidor”, disse.

Nesta época do ano, o Japão já tem um “aglomerado” de feriados nacionais, a chamada “Semana Dourada”. Neste ano, as autoridades do país declararam férias estendidas para comemorar a sucessão imperial. E, como a mudança se dá pela abdicação, e não pela morte, de Akihito, os japoneses não têm a necessidade de conter-se por casa do luto, diz a Reuters.

Para marcar a nova era, lojas de departamento em Tóquio planejam oferecer quantidades limitadas de itens comemorativos no dia 1º de maio, diz a Reuters, incluindo doces tradicionais com “Olá, Reiwa” e confeitos polvilhados

Vendedora segura placa com o nome da nova era imperial japonesa, Reiwa, em uma empresa de bonecas japonesa em Tóquio, no dia do anúncio, em 1º de abril. — Foto: Satoru Yonemaru/Kyodo News via AP

Vendedora segura placa com o nome da nova era imperial japonesa, Reiwa, em uma empresa de bonecas japonesa em Tóquio, no dia do anúncio, em 1º de abril. — Foto: Satoru Yonemaru/Kyodo News via AP

Nem todos os japoneses estão felizes com as férias, entretanto. Alguns não sabem o que fazer com um período tão longo sem trabalhar, e houve quem se queixasse da falta de acesso a serviços públicos e banheiros, ou de não ter onde deixar as crianças por causa dos feriados. Já para os que trabalham na indústria de serviços, por exemplo, o feriado estendido pode significar horas extras, diz o jornal “The Japan Times”.

Alguns analistas temem, entretanto, que qualquer aumento no consumo provavelmente seja seguido de uma queda, o que tornaria o impacto insignificante, diz a Reuters.

“Um aumento de gastos, se houver, será de curta duração”, disse Masaki Kuwahara, economista sênior da Nomura Securities.

Comentários