Itália diz que não há acordo para acolher imigrantes africanos de Israel

Agência EFE

Refugiados da Líbia desembarcam em Pratica di Mare, na Itália (Foto: Massimo Percossi/EFE)

O Ministério de Relações Exteriores da Itália afirmou nesta segunda-feira (2) que o país não assinou nenhum acordo para colher imigrantes africanos beneficiados por um pacto entre Israel e a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur). A informação é da EFE.

Israel anunciou hoje um acordo com a Acnur para enviar 16.250 africanos para outros países ocidentais. O pacto foi feito após o cancelamento de um controverso plano colocado em vigor no início deste ano para deportar milhares desses imigrantes.

Segundo o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o acordo permitirá a saída dos 16.250 migrantes a países desenvolvidos como “Canadá, Alemanha e Itália”. As declarações de Netanyahu foram fortemente criticadas pela coalizão de direita comandada pelos partidos Forza Itália e Liga Norte.

Sem boas-vindas

Um dos vice-presidentes do Senado italiano, Roberto Calderoli, da Liga Norte, disse que a Itália não aceitará mais imigrantes ilegais e trabalhará para enviá-los de volta para casa.  “Estamos longe de dar boas-vindas aos expulsos de Israel”, disse.

O senador Maurizio Gasparri, do Forza Itália, afirmou que o país se tornou o “paraíso dos imigrantes ilegais” e não quer acolher mais refugiados. Para ele, as pessoas que chegam ao litoral do país devem ir para outros lugares.

A coalizão de direita italiana liderada pelos dois partidos venceu as eleições legislativas do último dia 4 de março. Uma das principais promessas de campanha era a deportação de 600 mil imigrantes ilegais do país.

Comentários