Inter marca dois golaços, suporta pressão do Atlético-MG e vai às quartas

A torcida do Inter fez bonito, com 42.888 presentes no Beira-Rio. E também trataram de provocar os atleticanos. Durante a partida e, sobretudo, ao final do jogo, gritaram “eu acredito, eu acredito”, em alusão irônica ao cântico do Galo, de sempre crer em viradas improváveis em decisões.

Valdívia comemora primeiro gol do Inter
Valdívia comemora primeiro gol do Inter

Quem esperava emoção até o final foi contemplado com um grande jogo entre Inter e Atlético-MG. Mas apenas uma das grandes equipes poderia sair do Beira-Rio, na noite desta quarta-feira, com a vaga às quartas de final da Libertadores. O time que, no meio de tanta luta e entrega, fizesse brilhar a qualidade. Do jovem Valdívia, ao encobrir Victor.

Do experiente D’Alessandro, ao acertar chutaço no ângulo. Está certo que, no segundo tempo, o Galo foi valente, diminuiu com Lucas Pratto e poderia ter até empatado. Não desistiu nem quando Lisandro López fez mais um. Mas a luta não foi suficiente para suplantar os mandantes. Donos da vitória do talento e de quem soube fazer a vantagem na ida, com 2 a 2 no Horto.

Após eliminar o Galo, o Inter enfrenta o Santa Fe, em primeiro duelo a ser disputado na próxima quarta, na Colômbia. Antes, provavelmente com reservas, recebe o Avaí, no domingo, pelo Brasileirão. Mesmo dia em que o Atlético-MG tentará juntar os cacos contra o Fluminense, em Brasília.

Precisando marcar ao menos 1 a 0 para avançar, o Atlético-MG começou no ataque. A principal válvula de escape do time de Levir Culpi era o lado direito, com a velocidade de Patric. Faltou ao Galo, no entanto, iniciativa maior nas finalizações. Valdívia é mortal. Embora tivesse começado o jogo mais como marcador, foi talentoso o bastante para aproveitar logo de cara a primeira chance. Aos 21 minutos, recebeu a bola na área, nas costas de Patric, e encobriu Victor num toque tão leve quanto sua descontração juvenil: 1 a 0, décimo gol do garoto em 20 jogos no ano.

GOL ANULADO

O resultado obrigava o Galo a virar o jogo. Aos 33, Dátolo cobrou escanteio na cabeça de Jemerson, marcou o gol. Pena para os atleticanos, que, antes do cabeceio, Leonardo Silva havia cometido falta em Rodrigo Dourado, assinalada por Julio Bacuñan.

O Inter mostrou, nos acréscimos do primeiro tempo, que o talento é, no final das contas, soberano. A despeito de toda a pressão do Galo, D’Alessandro recolheu uma bola despretensiosa no bico da área e lhe aplicou uma curva de cinema. Victor saltou por protocolo antes de ver seu ângulo sacudido pela sétima vez pelo argentino – as outras seis haviam sido em Gre-Nais.

O Atlético-MG voltou com tudo na etapa final. Descontou logo cedo, com Lucas Pratto, e empurrou o Inter para o seu campo, numa imensa pressão. Luan chegou a colocar uma bola no travessão, com Alisson já caído na pequena área. Quem não perdoou o erro alheio, no entanto, foi Lisandro López. Aos 34, recebeu presente de Dátolo, que recuou mal. O argentino apenas deslocou Victor e fechou a conta.

 

Comentários

comentários