Intenção de consumo do campo-grandense atinge menor nível histórico

A intenção de consumo dos moradores de Campo Grande atingiu no mês de maio de 2016 o menor índice no período de um ano. É o que aponta pesquisa divulgada nesta sexta-feira (20), pelo Instituto de Pesquisa da Federação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso do Sul(Fecomércio MS), com base nos dados coletados pela Confederação Nacional do Comércio (CNC).

Nível de consumo está menor para 66,4% dos entrevistados em pesquisa da Fecomércio MS
Nível de consumo está menor para 66,4% dos entrevistados em pesquisa da Fecomércio MS

Segundo o levantamento, em maio de 2015 o indicador de intenção de consumo marcava 102,8 pontos e em maio de 2016 caiu para 66,5 pontos. Conforme o instituto, abaixo de 100 pontos, o índice já é considerado negativo.

A pesquisa foi feita nos últimos dez dias de abril, com 500 famílias de Campo Grande. O trabalho revela que 31,7% dos entrevistados disseram que se sentem menos seguros quanto a manutenção dos seus empregos em relação ao mesmo espaço de tempo do ano passado.

Outros 14,9 disseram que já estavam desempregados. O levantamento indicou ainda que o desemprego é maior entre as pessoas de menor renda. Entre os que possuem renda de até dez salários mínimo, o índice foi de 17,4%, e entre os com renda acima desse patamar o percentual foi de 2%.

O pessimismo também é demonstrado quando o responsável pela residência foi perguntando se achava que teria alguma melhoria profissional nos próximos seis meses. A maioria, 44,1%, disse que não tinha essa perspectiva.

Sobre a situação da renda familiar, 34,6% disse que ela está pior do que no mesmo período do ano passado e 48,1% que está estagnada. Já sobre o nível atual de consumo, 66,4% afirmam estar menor que há um ano.

Na avaliação do presidente do Instituto de Pesquisa da Fecomércio MS, Edison Araújo, a insegurança em relação ao desemprego vem fazendo com que o consumidor campo-grandense se retraia.

Comentários

comentários