Indústrias de MS anunciam investimentos de R$ 33 bilhões e 50 mil novos empregos

Nos últimos 30 dias pelo menos 13 indústrias anunciaram investimentos da ordem de R$ 33,73 bilhões em Mato Grosso do Sul a partir deste ano e que juntos devem gerar até 50 mil empregos diretos e indiretos no Estado. As informações foram repassadas pelo presidente da Fiems, Sérgio Longen, durante entrevista ao Programa Bom Dia MS, da TV Morena, nesta sexta-feira (12/06).

Fibria fará investimentos que chegam a R$ 7,7 bilhões em MS. (Foto: Assessoria/Fibria)
Fibria fará investimentos que chegam a R$ 7,7 bilhões em MS. (Foto: Assessoria/Fibria)

Segundo Sérgio Longen, o montante são oriundos de projetos de ampliação e de implantação da Eldorado Brasil (R$ 8 bilhões), CRPE Holding (R$ 8 bilhões), Fibria (R$ 7,7 bilhões), CCR MS Via (R$ 5,5 bilhões), BBCA Group (R$ 1,2 bilhão), International Paper (R$ 900 milhões), ADM Brasil (R$ 750 milhões), CPX (R$ 567,7 milhões), BioUrja (R$ 420 milhões), Grupo Asperbras (R$ 304 milhões), Cargill (R$ 240 milhões), Frigorífico Aurora (R$ 120 milhões) e Latasa (R$ 30 milhões), entre outras indústrias que estão em processo de instalação no Estado.

“Graças a esses investimentos, a situação das indústrias de Mato Grosso do Sul é menos preocupante que as de outras empresas do setor em nível nacional. Temos muitos pontos positivos no Estado e é nessa linha de atuação que estamos tocando os grupos de trabalho criados pelo CMC (Comitê de Monitoramento da Crise). Temos investimentos dos mais variados segmentos da indústria em todo o Estado, superando a casa dos R$ 33 bilhões em projetos identificados com grande potencial e que se iniciam ainda neste ano”, garantiu o presidente da Fiems.

Ele destaca que esses projetos estão sendo implantados e gerarão até 50 mil empregos diretos e indiretos, o que trará uma estabilidade para todo o Estado. “A indústria, para se ter uma ideia, deve apresentar um crescimento nominal do PIB Industrial entre 9 e 12% neste ano, saindo de R$ 12,6 bilhões em 2014 para até R$ 14,2 bilhões em 2015, ou seja, são números bastante significados e é nessa direção que o CMC vai trabalhar, também levando para os municípios do interior ações de desenvolvimento executadas pela Fiems, Fecomércio-MS, Famasul, Faems e Sebrae/MS, para que tenhamos o resultado menos impactante da crise financeira nacional aqui no Estado”, projetou.

Empregos

Sérgio Longen acrescente que a edificação das duas novas plantas da Fibria e Eldorado em Três Lagoas devem reaquecer a indústria da construção civil na região, que foi uma das que mais sentiram com a crise, registrando um número expressivo de demissões. “Essas duas novas plantas trarão um sossego aos trabalhadores da construção na região da costa leste do Estado. No entanto, não é somente em Três Lagoas que os bons ventos começam a soprar, várias indústrias anunciaram investimentos em Campo Grande, Ribas do Rio Pardo, Maracaju, Bela Vista, Chapadão do Sul, Água Clara, São Gabriel do Oeste e Paranaíba. Isso deve contrabalancear as demissões registradas nos últimos meses”, analisou.

O presidente da Fiems reforça que os anúncios de investimentos no Estado podem ser creditados à localização privilegiada de Mato Grosso do Sul e aos incentivos fiscais oferecidos pelo Governo. “O empresário preza muito o fato de o Governo do Estado buscar mais agilidade na concessão dos incentivos, bem como as prefeituras com oferecimento de benefícios. Além disso, é levado em consideração o apoio disponibilizado pelo Sistema Fiems, por meio do Sesi, Senai e IEL, com serviços técnicos e tecnológicos e qualificação profissional”, exemplificou.

Ele destaca que, de certa forma, o setor industrial, com esses investimentos, contribuem positivamente para a economia estadual, gerando mais emprego e melhor renda para os trabalhadores. “Porém, para garantir uma boa colocação no mercado que se abre, o trabalhador precisa de qualificação, que é importante e somente nessa linha vamos supera a crise no Estado. O trabalhador deve procurar se qualificar e se requalificar para zelar pelo emprego até porque os benefícios sociais oferecidos pelo Governo Federal já estão sendo revistos. Nós entendemos que só vamos conseguir vencer a crise com trabalho e planejamento das nossas ações”, finalizou.

12indus

Comentários

comentários