Indústria apresenta saldo positivo de emprego após 10 meses seguidos de baixa

O setor industrial de Mato Grosso do Sul, composto pelas indústrias de transformação, de extrativismo mineral, de construção civil e de serviços de utilidade pública, iniciou 2016 com saldo positivo na geração de empregos, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul).

 

 

 

De acordo com o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, janeiro interrompeu a série de dez meses consecutivos com redução de postos de trabalho na indústria sul-mato-grossense, registrando saldo de 157 vagas.

Ainda de acordo com Ezequiel Resende, os segmentos industriais que apresentaram os maiores saldos de contratação em janeiro foram indústria da construção (+345), indústria mecânica (+109) e indústria metalúrgica (+41).

“Contudo, considerando os últimos 12 meses, 9.003 vagas foram fechadas na indústria estadual. No período citado as maiores reduções ocorreram na indústria da construção (-2.163), indústria têxtil e do vestuário (-1.813), indústria química (-1.610), indústria mecânica (-964), indústria de produtos alimentícios e bebidas (-795) e indústria metalúrgica (-630)”, informou.

Ele acrescenta que o conjunto das atividades industriais em Mato Grosso do Sul encerrou janeiro de 2016 com um contingente de 125.655 trabalhadores formalmente empregados, mantendo-se estável em relação a dezembro.

“Com o desempenho, a indústria segue com o 4º maior contingente de trabalhadores formais do Estado. Atualmente a atividade industrial responde por 19,6% de todo o emprego formal existente, ficando atrás dos setores de serviços, que emprega 189.534 trabalhadores com participação equivalente a 29,5%, administração pública, com 130.362 trabalhadores ou 20,3%, e comércio, com 126.255 ou 19,7% do total”, detalhou.

Especificações

Em Mato Grosso do Sul, em janeiro de 2016, ao todo 76 atividades industriais apresentaram saldo positivo de contratação, proporcionando a abertura de 1.200 vagas. Entre as atividades industriais com saldo positivo de pelo menos 30 vagas, destacaram-se construção de edifícios (+241), abate de reses, exceto suínos (+216), obras para geração e distribuição de energia elétrica e para telecomunicações (+66), obras de terraplenagem (+61), catering, bufê e comida preparada (+51), fabricação de artefatos de material plástico não especificados anteriormente (+38) e fabricação de obras de caldeiraria pesada (+38)

Por outro lado, no mesmo período, 87 atividades industriais apresentaram saldo negativo, proporcionando o fechamento de 1.043 vagas. Entre as atividades industriais com saldo negativo de pelo menos 30 vagas, destacaram-se fabricação de açúcar em bruto (-235), fabricação de produtos de pastas celulósicas, papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado não especificados anteriormente (-111), fabricação de tênis de qualquer material (-56), fabricação de álcool (-45), fabricação de produtos de panificação (-43), abate de suínos, aves e outros pequenos animais (-40), fabricação de artefatos de concreto, cimento, fibrocimento, gesso e materiais semelhantes (-34).

Em relação aos municípios, constata-se que em 32 deles as atividades industriais registraram saldo positivo de contratação no mês de janeiro, proporcionando a abertura de 1.026 vagas, destacando-se Três Lagoas (+268), Paranaíba (+100), Dourados (+84), Nova Andradina (+78), Aparecida do Taboado (+74), Água Clara (+65), Naviraí (+38), Bataiporã (+37), Chapadão do Sul (+36) e Mundo Novo (+34). No mesmo período, em 28 municípios as atividades industriais registraram saldo negativo, proporcionando a fechamento de 869 vagas, destacando-se Campo Grande (-155), Maracaju (-146), Bataguassu (-91), Eldorado (-83), Costa Rica (-73), Ponta Porã (-69), São Gabriel do Oeste (-32) e Corumbá (-32).

Comentários

comentários