Homem é feito refém por oito horas e tem veículo levado por criminosos

Um homem de 51 anos foi sequestrado por volta das 11h da manhã desta quarta-feira (04) e ficou 8 horas em poder dos criminosos, além de ter o carro roubado. O fato aconteceu na, na Praça Aquidauana, Centro de Campo Grande.

De acordo com as informações do boletim de ocorrência, a vítima relatou que descia de seu carro Ford EcoSport, na Praça Aquidauana, no momento em que foi abordada por um jovem, que aparentava ser menor de idade. O indivíduo estava armado, anunciou o sequestro e ordenou que a vítima dirigisse até um bairro na saída para São Paulo.

Depac Piratininga em Campo Grande (Foto: Divulgação )

O criminoso ameaça a vítima frequentemente apontando a arma para em sua direção, enquanto ela guiava o carro. Em dado momento o condutor foi obrigado a parar o veículo para que mais um homem entrasse no carro. A vítima foi mandada para o banco traseiro e teve braços amarrados, além de receber a ordem de ficar com a cabeça abaixada para não acompanhar a movimentação.

A vítima desceu do veículo em uma estrada de terra, local que dá acesso ao Presídio da Gameleira. O homem ficou em poder de um dos sequestradores enquanto o outro fugiu com o carro. A vítima ficou sob poder do criminoso por 8 horas e a todo momento recebia ameaças de morte, se caso o carro não chegasse no Paraguai.

À noite, o sequestrador decidiu abandonar o cativeiro e ordenou que a vítima o acompanhasse. Os dois foram sentido BR-163 e lá uma mulher conduzindo o carro se aproximou e ofereceu carona para os dois. A polícia não tem conhecimento se esta mulher tem ligação com o crime. Os dois, foram levados pela mulher até o Bairro Dom Antônio Barbosa e após desembarcarem do automóvel, a vítima foi liberada pelo bandido na Rua Manoel Barbosa.

O criminoso fugiu e a vítima pediu ajuda em um casa na mesma rua em que foi deixado. A Polícia Militar foi acionada e o caso registrado como sequestro e roubo de veículo na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga.

Comentários