Homem de 54 anos é feito refém por mais de quatro horas durante roubo de Van na Capital

Um homem de 54 anos foi vítima de um sequestro relâmpado e teve o veículo roubado no final da tarde de ontem (01), em Campo Grande. Ele ficou refém de quatro bandidos durante quatro horas.

Segundo informações do boletim de ocorrência, um homem entrou em contato com a vítima, que é dono de uma Van, e contratou um falso frete, informando que precisava que a vítima fosse até Três Lagoas buscar 14 pessoas que iriam trabalhar na Capital.

Foto: Google Street View
Foto: Google Street View

Antes de seguir para a cidade, o falso contratante pediu que a vítima parasse em frente a um motel na saída de Três Lagoas para pegar seu sobrinho que também viajaria para o interior. No local indicado, o freteiro parou e dois homens entraram na Van, o suposto sobrinho do contratante e um tio.

Após andar aproximadamente 40 quilômetros, a dupla anunciou o assalto e mandou que a vítima entrasse na estrada que da acesso ao aeroporto Santa Maria. No local, mais um homem entrou na Van. O motorista foi amarrado e um dos bandidos assumiu a direção do veículo.

Os bandidos seguiram até o bairro Moreninhas, onde uma mulher loira entrou na Van. Eles foram até um posto de gasolina na saída para Três Lagoas, onde a mulher pegou a carteira da vítima e comprou quatro marmitex e um refrigerante. Posteriormente, os três homens e a vítima foram deixados em um matagal e a loira saiu com o veículo.

Aproximadamente quatro horas depois, o grupo recebeu uma ligação, provavelmente da mulher, informando que o veículo já estava no Paraguai. Antes de irem embora, os bandidos disseram para a vítima esperar um pouco e depois poderia sair do local.

Ainda segundo informações do boletim de ocorrência, enquanto o grupo ficou no matagal com a vítima, um dos bandidos foi até um posto de gasolina na região, onde comprou água e refrigerante. A vítima também relatou que no local há câmeras de segurança e que os bandidos chegaram a usar um de seus celulares para fazer ligações.

O caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do Centro.

Kerolyn Araújo

Comentários

comentários