Havelange é acusado por coreano de manipulação e corrupção na Fifa

O ex-vice-presidente da Fifa, Chung Mong Joon, acusou o ex-presidente da entidade, João Havelange, de manipular contratos de televisão voltados às Copa do Mundo.

Coreano disse que Havelange e Blatter impediram que escândalos vazassem publicamente (Foto: Getty Images)
Coreano disse que Havelange e Blatter impediram que escândalos vazassem publicamente (Foto: Getty Images)

O bilionário sul-coreano afirma que Havelange escondia escândalos de corrupção durante sua gestão.

Mong Joon foi vice-presidente da Fifa por 17 anos, iniciando as atividades em 1994. Havelange presidiu a Fifa de 1974 a 1998.

O coreano diz que tentou fazer de tudo para corrigir atividades irregulares cometidas por Havelange e pelo sucessor Joseph Blatter.

“Durante meu mandato como membro da Fifa, eu trabalhei incessantemente para combater e corrigir aquilo que eu considerava opaco e ilegal e que era feito pelo Blatter e seu antecessor [Havelange]. É com tristeza que eu digo que não tinha poder de evitar tais práticas corruptas que assombraram e destruíram a Fifa”, declarou Mong Joon, durante conferência em Seul, nesta terça.

Em 2003, já como presidente de honra da entidade, João Havelange renunciou ao cargo honorário após o Comitê de Ética indicar que o dirigente brasileiro tinha conhecimento de desvio no valor de US$ 100 milhões.

Candidatura de coreano à Fifa está em risco

Candidato à presidência da Fifa, Chung Moon Jong pode ser suspenso pelo Comitê de Ética da Fifa. Ele teria violado seis artigos estabelecidos pela ética da entidade, entre as quais de ter apoiado a candidatura da Coreia para a Copa de 2022, além de participar do programa de Fundo Global de Futebol.

UOL

Comentários

comentários