Há cinco dias do término, campanha de vacinação contra a gripe atingiu menos de 1/3 da meta

H1N1
Especialistas destacam necessidade de vacinação antes da chegada do inverno – Foto: Arquivo

Apenas 29,2% das 49,7 milhões de pessoas que o Ministério da Saúde pretende vacinar contra a gripe H1N1 procuraram postos de saúde pelo Brasil até o momento, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (18) pelo Ministério da Saúde. O percentual representa apenas 14,5 milhões de vacinações realizadas desde o dia 4 deste mês, quando a campanha teve início. Até a próxima sexta-feira (22) e o governo espera atingir pelo menos 80% da meta do total previsto, aproximadamente 39,7 milhões de pessoas.

Público-alvo: Devem ser vacinadas crianças de 6 meses a menores de 5 anos, doentes crônicos e idosos com 60 anos ou mais; trabalhadores da saúde, povos indígenas e gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, presos e funcionários do sistema prisional. Crianças que vão receber a vacina contra a gripe pela primeira vez devem ser imunizadas em duas etapas, com intervalo de 30 dias entre as doses. É importante levar aos postos de saúde o cartão de vacinação e um documento de identificação.A vacina protege contra os subtipos do vírus influenza: H1N1, H3N2 e B.

Segundo o ministério, o organismo leva, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram a proteção contra a gripe e é fundamental realizar a vacinação no período da campanha para garantir a proteção antes do início do inverno. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.

Transmissão e sintomas: O vírus Influenza se dissemina por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. A doença também pode ser transmitida pelas mãos e por objetos contaminados.
Os sintomas da gripe incluem febre, tosse ou dor na garganta, além de dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. O agravamento pode ser identificado por sintomas como falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários