Guerra ao Aedes aegypti faz blitz no centro da Capital para conscientizar população

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Com o objetivo de conscientizar a população sobre as formas de combate ao vetor da dengue, febre chikungunya e zika vírus, as equipes da Campanha Guerra ao Mosquito Aedes aegypti, uma iniciativa realizada pela Fiems e Sesi com o apoio da TV Morena e DGPC (Delegacia Geral da Polícia Civil), realizaram, neste sábado (30/01), uma blitz com distribuição de panfletos para os pedestres e adesivagem de veículos no centro de Campo Grande (MS), entre a Avenida Afonso Pena e a Rua 13 de maio.

O presidente da Fiems, Sérgio Longen, que participou da ação de conscientização, destacou a importância do trabalho incessante na luta contra os focos do Aedes aegypti. “A campanha já conseguiu atingir 104.854 domicílios, 403.951 pessoas e 6.553 empresas em várias regiões de Campo Grande. Cada um tem que fazer a sua parte, manter seus espaços limpos e gerar saúde para si e para os vizinhos”, declarou.

Até agora as equipes já percorreram os bairros Noroeste, Veraneio, Panorama, Maria Aparecida Pedrossian, Oiti, Estrela Dalva, Novos Estados, Vila Nascente, Vila Jacy, Taquarussu, Guanandi, Caiçara, Oliveira I, II e III, Bom Jardim, União, Portal Caiobá, Coophavilla, Tarumã, Batistão, Rancho Alegre, Tijuca, Nhá-Nhá, Marcos Roberto, Piratininga e Vila Carvalho. O superintendente do Sesi, Bergson Amarilla, disse que o objetivo da blitz foi atingir o maior número de pessoas, incentivando a população a tomar cuidados básicos contra o mosquito. “É uma campanha de conscientização para dar mais volume e densidade, chamar atenção da população para os perigos do Aedes aegypti”, afirmou.

Para o gerente de marketing da TV Morena, Antônio Alves, a guerra ao mosquito virou um problema nacional. “Não é só nosso, estamos em um combate para a valorização de vidas e a grande responsabilidade é do cidadão. Segundo pesquisa, 80% das pessoas que já pegaram dengue ou zika vírus continuam sendo descuidadas com as medidas de combate ao mosquito, pois, quando o agente de saúde volta nas residências delas, o foco epidêmico continua. Então temos que combater isso”, falou.

População

Na ação deste sábado, o marceneiro Marquevane Vieira da Silva, 46 anos, passou pela rua e deixou a equipe colocar um adesivo no seu automóvel, porque já pegou dengue e acredita que é preciso mais atenção da população. “A grande responsabilidade é de cada um de nós, porque o cuidado depende das nossas ações, limpando a própria casa sempre”, comentou.

Assim também pensa o operador de sistemas Maurell Alves, reforçando que a melhor forma de se prevenir da dengue, do zika vírus e da febre chikungunya ainda é combatendo o mosquito. “As pessoas têm que ter a consciência de cuidar do seu próprio ambiente, porque grande parte dos criadouros estão dentro das casas”, afirmou.

Já o engenheiro civil Robson Taveira, 42 anos, também aderiu à campanha e colou adesivo para ajudar na conscientização. “É importante que cada cidadão compreenda a importância de separar o lixo corretamente e descartar recipientes que acumulam água parada”, pontuou.

Fiems.

Comentários

comentários