Grávida que era mantida viva para gerar bebê é velada na Capital

Depois que o bebê Yago nasceu, sua mãe, Renata Souza Rocha, 22, teve morre oficialmente. declarada. Os sinais vitais da jovem, diagnosticada com morte cerebral no dia 30 de janeiro, após sofrer um AVC (Acidente Vascular Cerebral), foram mantidos para sustentar a gestação. Porém na manhã desta sexta-feira (30), uma cesárea de emergência foi realizada, após Renata apresentar um quadro de instabilidade.

Renata Sodré teve morte cerebral e foi mantida viva para o nascimento do filho (Foto: Reprodução/ TV Morena)

O velório da jovem começou na meia-noite de hoje e segue até às 16h30 . Renata está sendo velada no Cemitério Memorial Park e o sepultamento do corpo está marcado para o fim da tarde.

A família havia inicialmente declarado a intenção de doar os órgãos de Renata, porém o procedimento não será possível. Devido ao quadro de instabilidade, a jovem pode ter sofrido algum tipo de infecção, o que torna impossível a doação de órgãos.

Yago nasceu com 27 semanas e 3 dias, por volta das 11 horas, com 34 cm e 1,5 kg. O bebê está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Neonatal e não tem previsão de alta. De acordo com informações do hospital, tudo depende de como ele vai reagir ao tratamento.

O caso de Renata – que estava sendo mantida aos cuidados de uma equipe especializada 24h para concluir a gestação -, é raro e o 3º no Brasil. A assessoria de imprensa da Santa Casa explicou que só foram registrados outros dois casos semelhantes, um em Campo Largo, Paraná, e o outro em Colatina, Espírito Santo.