Governo vai colaborar para que investigações prossigam, diz Reinaldo

Em nota divulgada nesta quinta-feira (9), o Governo do Estado de MS buscou esclarecer que a operação “Lama Asfáltica”, deflagrada pela Polícia Federal, se refere à inquéritos policiais do ano de 2014 e assim, não teria relação com a atual administração.

Reinaldo Azambuja participou de agenda em Dourados com o presidente em exercício Michel Temer - Foto: Joandra Alves
Reinaldo Azambuja participou de agenda em Dourados com o presidente em exercício Michel Temer – Foto: Joandra Alves

Deflagrada nesta manhã, a megaoperação investiga uma organização que teria fraudado diversas licitações em obras públicas de Mato Grosso do Sul, com prejuízos estimados em R$ 11 milhões aos cofres públicos sobre o montante fiscalizado, que soma R$ 45 milhões.

O governador do Estado Reinaldo Azambuja disse que seis servidores concursados foram afastados, por determinação judicial, em decorrência da investigação da Polícia Federal que culminou na Operação Lama Asfáltica, deflagrada hoje. Azambuja citou que os funcionários ocupavam cargo de chefia na gestão passada, mas não detalhou quem seriam.

Azambuja afirmou que o governo está colaborando para a investigação, colaborando com a Polícia Federal e repassando documentos e informações, sem qualquer restrição. O governo também disse que, em caso de comprovação de dano ao erário, irá pedir ressarcimento aos cofres.

Confira a nota na íntegra:

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul esclarece, acerca das operações realizadas hoje (09), pela Polícia Federal, Receita Federal e Controladoria Geral da União, os seguintes pontos:

1) Os mandados de busca e apreensão expedidos no último dia 02 se referem a inquérito policial relativo ao ano de 2014, portanto, à gestão anterior, não tendo relação com o atual Governo;

2) A diligência realizada na sede da Secretaria de Infraestrutura, onde também funciona a Agesul, contou com a colaboração do Governo, que está totalmente à disposição para apoiar a Polícia Federal, a Justiça e os demais órgãos envolvidos;

3) Os funcionários investigados foram suspensos de suas funções por ordem judicial e o Governo vai tomar todas as providências administrativas cabíveis para averiguar os fatos e garantir a lisura de todos os procedimentos realizados pelo órgão;

4) Por fim, o Governo do Estado vai acompanhar a evolução das apurações, reafirmando seu compromisso com o esclarecimento dos fatos e a transparência das informações.

Comentários

comentários